21:37 23 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    182
    Nos siga no

    Membros do governo e do corpo diplomático cubano rechaçaram nesta quarta-feira (26) as acusações de funcionários governamentais dos EUA de que Cuba não coopera com os esforços para combater o terrorismo.

    No dia 25 de maio, se tornou pública no Registro Federal dos EUA uma nota assinada pelo secretário de Estado, Antony Blinken, datada do dia 14, na qual certifica que Cuba, Irã, República Popular Democrática da Coreia [Coreia do Norte], Síria e Venezuela "não estão cooperando plenamente com os esforços antiterroristas dos EUA".

    O anúncio do secretário de Estado norte-americano foi feito "em conformidade com a seção 40-A da Lei de Controle de Exportação de Armas [22 USC 2781] e com a Ordem Executiva 13637".

    O presidente de Cuba, Miguel Díaz-Canel, por sua vez, reagiu ao anúncio de Blinken acusando o governo dos EUA de agir "com cinismo" ao manter Cuba na lista de países que não cooperam na luta contra o terrorismo.

    O governo dos EUA atua com cinismo ao manter Cuba na lista dos países que não cooperam na luta contra o terrorismo. O império [EUA] se empenha em asfixiar o povo cubano ao manter as 243 medidas de bloqueio impostas por Trump. Aqui ninguém se renderá, sem mais bloqueio.

    Além do presidente, o representante permanente de Cuba nas Nações Unidas, Pedro Luis Pedroso, também questionou o caráter político das listas de sanções estabelecidas por Washington.

    "Os atos e mecanismos unilaterais de alguns governos, como o dos EUA, que reivindicam o direito de fazer listas com motivações políticas, contrariando o direito internacional, solapam a autoridade da AGNU [Assembleia Geral da ONU] na luta contra o terrorismo e os esforços cooperativos multilaterais a respeito", escreveu Pedroso no Twitter.

    Em 11 de janeiro, há poucos dias de concluir seu mandato, o ex-presidente Donald Trump incluiu Cuba na lista de países patrocinadores do terrorismo.

    Outra autoridade que se manifestou sobre o assunto foi a subdiretora-geral para as relações com os EUA da chancelaria cubana, Johana Tablada. A funcionária condenou a atitude de Washington em relação à ilha em temas de cooperação na luta antiterrorista.

    "Essa decisão diz mais sobre o governo dos EUA do que o de Cuba, um país cujo desempenho na luta e na cooperação contra o terrorismo é exemplar. Os EUA sabem disso melhor do que ninguém. A decisão de ontem [25] não é uma decisão qualquer. O governo de [Joe] Biden assume uma das maiores e mais danosas mentiras de todo o mandato de Trump", escreveu Tablada nas redes sociais.

    Durante os quatro anos de mandato de Trump, o governo norte-americano recrudesceu o bloqueio econômico, comercial e financeiro contra a ilha, com a imposição de mais de 240 sanções, 55 delas durante o período da pandemia de COVID-19.

    Durante a campanha presidencial, o atual chefe de Estado norte-americano, Joe Biden, prometeu restaurar as políticas estabelecidas pelo ex-presidente Barack Obama em relação a Cuba e retomar o caminho do entendimento bilateral.

    Mais:

    Cuba ergue bandeira de concreto de 12 metros em frente à embaixada dos EUA em Havana (FOTOS)
    UE aceita agir como mediadora nas relações entre Cuba e EUA, informa mídia
    Raúl Castro deixa a liderança do Partido Comunista de Cuba
    Tags:
    relações internacionais, sanções, multilateralismo, cooperação internacional, terrorismo, Cuba, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar