22:30 18 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    2161
    Nos siga no

    Nesta terça-feira (25), o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse a repórteres que as sanções dos EUA contra a empresa Nord Stream 2 AG, que gere a construção do gasoduto, seriam contraproducentes para as relações europeias.

    A declaração foi dada por Biden em Washington, antes de uma viagem do presidente norte-americano, conforme publicou a agência Reuters.

    "[O Nord Stream 2] está quase concluído, [...] e não é como se eu pudesse permitir que a Alemanha faça algo ou não [...]. Seguir em frente e impor sanções agora seria, eu acho, contraproducente em termos de nossas relações europeias", disse Biden. "Eles sabem como eu me sinto", acrescentou o presidente norte-americano.

    Biden ressaltou que as sanções dos EUA contra a Nord Stream 2 AG não fariam nada para impedir o projeto porque ele está quase pronto.

    O governo dos EUA anunciou na semana passada que desistiria das sanções contra a Nord Stream 2 AG, com sede na Suíça, e seu presidente-executivo, Matthias Warnig. O governo da Alemanha, que no passado condenou as tentativas de Washington de interromper a construção do gasoduto, saudou a medida.

    Apesar disso, na sexta-feira (21), o governo dos EUA emitiu sanções contra 13 navios russos e três entidades ligadas à construção do oleoduto Nord Stream 2.

    O projeto liderado pela Rússia está mais de 90% concluído. O Nord Stream 2 é um gasoduto duplo de cerca de 1,2 mil quilômetros que transportará gás da Rússia diretamente para a Alemanha sob o mar Báltico, passando pelas águas territoriais da Dinamarca, Finlândia e Suécia.

    Mais:

    EUA avisam Alemanha que farão o possível para impedir conclusão do gasoduto Nord Stream 2, diz mídia
    Deputado alemão ante sanções a Nord Stream 2: Europa e EUA dependem de parceria econômica com Rússia
    EUA classificam gasoduto Nord Stream 2 como 'projeto geopolítico da Rússia'
    Tags:
    Alemanha, Rússia, Estados Unidos, Joe Biden
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar