22:25 23 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    Mundo em meio à pandemia da COVID-19 no fim de maio de 2021 (61)
    0 112
    Nos siga no

    As principais consequências do bloqueio que os EUA impõem a Cuba há quase 60 anos recaem sobre as mulheres e a família cubana, disse à Sputnik a diretora da Oxfam na ilha, Elena Gentili, depois de apresentar o relatório: "Direito a viver sem bloqueio".

    "O bloqueio dos EUA sobre Cuba impede, principalmente, que as mulheres desfrutem plenamente de seus direitos. Queremos que as próximas gerações não tenham que viver o que viveram 78% das meninas e mulheres cubanas nas últimas seis décadas da história do país", afirmou Gentili nesta terça-feira (25).

    "Agradeço à Oxfam por seu compromisso, solidariedade e legitimidade para abordar um tema que afeta a nós, cubanos e cubanas, em especial as mulheres", disse Joel Suárez, coordenador do Centro Memorial Dr. Martin Luther King Jr. em Cuba, a propósito do novo relatório "Direito a viver sem bloqueio".

    A organização internacional Oxfam denuncia em seu relatório os efeitos negativos das sanções impostas por Washington, que "têm impacto na vida cotidiana das populações cubanas mais vulneráveis, afetam suas famílias e meios de vida, obstaculizam o desenvolvimento das capacidades e de projetos próprios, e limitam o avanço para uma sociedade mais justa e equitativa".

    "Nos últimos 60 anos, muitas gerações se viram afetadas pela distância, mesmo estando muito próximas de seus filhos, de sus pais; um efeito psicológico que fez com que mães e irmãs, pais e avós, não tivessem a oportunidade de viver junto de seus familiares", frisou Gentili.

    Meninas usando máscaras esperam por seus pais em Havana, Cuba
    © AP Photo / Ramon Espinosa
    Meninas usando máscaras esperam por seus pais em Havana, Cuba
    Além disso, a funcionária italiana, que representa o organismo internacional formado por 19 ONGs que realizam serviços humanitários em 90 países, apelou ao governo norte-americano liderado pelo presidente Joe Biden, "para normalizar as relações entre EUA e Cuba e eliminar finalmente o embargo contra a ilha".

    "Está em suas mãos [de Biden] reverter as medidas adotadas por seus antecessores, ampliando e diversificando o alcance de uma nova aproximação entre os dois países, e trabalhar com o Congresso [dos EUA] para chegar, finalmente, à suspensão definitiva do bloqueio", afirma a Oxfam em seu relatório.

    78% das mulheres e meninas cubanas nasceram sob o impacto do bloqueio dos EUA contra Cuba, detalhou Elena Gentili, representante da Oxfam em Cuba, durante coletiva de imprensa sobre a apresentação do relatório "Direito a viver sem bloqueio".

    O documento apresentado pela Oxfam acrescenta que o bloqueio econômico, comercial e financeiro que Washington impõe à Havana desde 1962, "aprofunda a crise econômica, dificulta o acesso a fornecedores de medicamentos, tecnologias, alimentos e outros produtos de primeira necessidade".

    Além disso, a organização denuncia que, entre as mais de 240 sanções impostas sobre Cuba durante o governo do ex-presidente Donald Trump, 55 foram implementadas dentro do contexto da pandemia de COVID-19

    Tema:
    Mundo em meio à pandemia da COVID-19 no fim de maio de 2021 (61)

    Mais:

    De volta à era Obama? Democratas pedem que Biden volte à política de distensão em relação a Cuba
    UE aceita agir como mediadora nas relações entre Cuba e EUA, informa mídia
    Vladimir Putin envia saudações a Raúl Castro, que deixou a liderança do Partido Comunista de Cuba
    Tags:
    COVID-19, Oxfam, direitos das mulheres, direitos sociais, bloqueio econômico, embargo, EUA, Cuba
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar