09:22 23 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    4344
    Nos siga no

    O confronto entre China e EUA levaria a um conflito sem vencedores, afirmou o ex-secretário de Estado norte-americano Henry Kissinger em entrevista ao Neue Zurcher Zeitung.

    Na quinta-feira (20), respondendo à pergunta quão perto a China e os Estados Unidos estão de uma Guerra Fria, o diplomata disse que durante os últimos meses da presidência de Donald Trump as tensões entre os países aumentaram drasticamente.

    "Passaram-se coisas que não serão fáceis de apagar da memória dos participantes", afirmou Kissinger.

    No entanto, a administração de Joe Biden entende que o confronto não é do interesse de Washington, de Pequim e do resto do mundo, segundo Kissinger.

    "Isso levaria a um conflito sem vencedores que, tal como a Primeira Guerra Mundial, acabaria em exaustão de ambos os lados", avisou o ex-secretário de Estado norte-americano.

    O diplomata destacou que a sociedade norte-americana considera a China um inimigo permanente e uma fonte de fenômenos negativos.

    "A nova administração terá realmente dificuldade em encontrar uma saída da confrontação e desenvolver uma estratégia mais estável", destacou Kissinger.

    Anteriormente, Kissinger advertiu que a competição entre os EUA e a China não deve aumentar até atingir um grande conflito de alta tecnologia. O diplomata revelou que, embora ambos os lados possam ter a capacidade teórica para vencer, nenhum dos lados optará por exercê-la.

    Mais:

    Atentados de hackers desafiam baixa presença do Estado na infraestrutura dos EUA, diz especialista
    União Europeia bloqueia acordo de investimento com China até que Pequim suspenda sanções
    Mar do Sul da China: Marinha dos EUA nega ter sido expulsa pela China de águas territoriais chinesas
    EUA e UE contra China: ex-representante do Comércio dos EUA conta por que tal 'aliança' é improvável
    Tags:
    Donald Trump, guerra, tensões, Henry Kissinger, Primeira Guerra Mundial, China, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar