13:05 18 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    360
    Nos siga no

    O opositor Juan Guaidó, que se propôs a dialogar com o governo de Nicolás Maduro, deve reconhecer que errou ao cometer crimes contra os venezuelanos, afirmou hoje (13) o presidente da Assembleia Nacional, Jorge Rodríguez.

    "Quem quer o diálogo deve começar por reconhecer não apenas que se equivocou, mas que cometeu crimes horrendos contra todo o povo da Venezuela", disse Rodríguez durante a sessão ordinária do Parlamento nesta quinta-feira (13).

    Com essas palavras, o presidente da Assembleia Nacional fez referência à proposta apresentada na última terça-feira (11) por Guaidó, um plano que inclui dialogar com o governo de Maduro.

    Assembleia Nacional da Venezuela.
    © AFP 2021 / Juan Barreto
    Assembleia Nacional da Venezuela.
    Rodríguez disse que o governo está aberto ao diálogo, mas ressaltou que "ninguém sofre de amnésia" no país, por isso, se quiserem dialogar, devem devolver todos os recursos que roubaram da Venezuela.

    "Ele [Guaidó] não pode simplesmente chegar com sua cara juvenil cheia de espinhas para pedir uma negociação e um diálogo, sem devolver o que roubou […] ao menos podia dizer que cometeu erros terríveis, que pediu uma invasão militar da Venezuela, e que agora se finge de louco para sentar-se à mesa [para dialogar]", afirmou o parlamentar.

    Estou pronto para me reunir com toda a oposição venezuelana! Quando quiserem, onde quiserem e como quiserem. Isto deve ser um passo para que abandonem o caminho da guerra, da invasão, dos atentados e dos golpes de Estado. Esperamos vocês no mesmo caminho eleitoral que percorremos.

    Contudo, Rodríguez disse que o seu grupo político apoia a decisão de Maduro de aceitar dialogar, mas ressaltou que já passou da hora de os opositores assumirem as suas responsabilidades.

    "Que dessa mesa de diálogo saia o compromisso de que, nunca mais, alguém que se diga venezuelano solicite intervenções militares contra a Venezuela", frisou o presidente da Assembleia Nacional.

    Ontem (12), Maduro aceitou a proposta de diálogo de Guaidó, com o acompanhamento do governo da Noruega, da União Europeia e do Grupo de Contato.

    Hoje [12] o objetivo é um só: salvar a Venezuela, o nosso país, a nossa família e os nossos sonhos. Por isso, desprendidos de qualquer interesse ou cargo, ontem [11] apresentamos uma proposta simples para conseguir isso: um Acordo de Salvação Nacional.  

    A aceitação da proposta pelo presidente venezuelano aconteceu um dia depois que o político opositor escreveu no Twitter que a Venezuela precisa de um acordo de salvação nacional, que incorpore todas as facções políticas e ofereça garantias.

    Em maio de 2019, o governo e a oposição tentaram iniciar um processo de diálogo com mediação da Noruega. No entanto, em setembro daquele ano, o processo acabou sendo interrompido, depois que a Casa Branca decidiu impor mais sanções econômicas contra a Venezuela.

    Mais:

    Governo da Venezuela quer usar fundos congelados nos EUA para pagar por vacinas
    Venezuela denuncia 'massacre' na Colômbia após mortes em manifestações
    Caracas diz ao TPI para se guiar pela 'primazia da realidade' na Venezuela e não pelo Twitter
    Tags:
    política, Negociação, acordo, diálogo, Assembleia Nacional, Juan Guaidó, Nicolás Maduro, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar