22:20 23 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    6231
    Nos siga no

    Enquanto Casa Branca culpa "acumuladores", 17 estados norte-americanos e Washington declaram emergência por escassez de combustível. Crise afeta até companhias aéreas.

    Motoristas e até companhias aéreas lutaram para encontrar combustível em todo o sudeste dos EUA devido ao ataque cibernético à empresa Colonial Pipeline, responsável pelo maior oleoduto do país, mas o governo Biden negou que houvesse uma "escassez" e culpou os "acumuladores" pela "crise de fornecimento".

    A Virgínia e a Flórida declararam estado de emergência na terça-feira (11), após comunicado da Carolina do Norte no dia anterior, quando a interrupção nas operações do oleoduto fez com que mais de mil postos de gasolina em uma dúzia de estados ficassem sem combustível, de acordo com o Serviço de Informação de Preço do Petróleo da S&P.

    Ainda na terça-feira (11), 27% dos postos de gasolina na área metropolitana da Carolina do Norte estavam secos, de acordo com o GasBuddy, um aplicativo que ajuda os motoristas a encontrar combustível. Assim como 31% dos postos em Raleigh e 29% em Charlotte. Atlanta, na Geórgia, relatou uma interrupção de 30% também.

    Moradores da região postaram nas redes sociais longas filas de até meia hora para abastecimento de veículos, rebatendo o noticiário sobre não haver aumento de preços ou filas nos postos.

    Visitei cinco postos de gasolina nesta manhã e o Costco é o primeiro a ter gasolina. A fila é insana.

    Colonial Pipeline, uma artéria de combustível vital dos EUA que foi fechada por um ataque cibernético, disse que esperava restaurar a maioria das operações até o final da semana. Desde a paralisação, não houve longas filas ou grandes aumentos de preços da gasolina. Aqui está o que você deve saber.

    A secretária de Energia Jennifer Granholm insistiu que a Costa Leste não estava enfrentando uma "escassez de gasolina", mas, sim, uma "crise de oferta".

    "Sabemos que temos gasolina; só precisamos colocá-la nos lugares certos", disse Granholm a repórteres na Casa Branca, adicionando que "não havia motivo para acumular gasolina" e comparou isso a "acumular papel higiênico no início da pandemia".
    O oleoduto administrado pela Colonial Pipeline estará "substancialmente operacional no final desta semana e no fim de semana", afirmou Granholm.

    Não eram apenas motoristas lutando. A companhia aérea American Airlines fez alterações em dois voos que saíam de Charlotte devido à escassez, forçando os passageiros com destino ao Havaí a trocar de avião em Dallas e os que estavam a caminho de Londres a fazer escala para reabastecimento em Boston. As linhas aéreas Southwest e United começaram a transportar combustível extra em voos para Nashville e Baltimore, para o caso de ficarem sem combustível.

    O gasoduto, operado pela Colonial Pipeline, empresa transportadora de produtos refinados, parou completamente devido a um ataque cibernético na sexta-feira (7). O FBI culpou o DarkSide, um grupo de hackers criminosos que a mídia corporativa dos EUA acusou de serem "falantes de russo". O grupo não admitiu o ataque.

    Em um esforço para obter combustível das refinarias no Texas para clientes em todo o sudeste dos EUA, o órgão regulador de caminhões do Departamento de Transporte declarou uma emergência regional em 17 estados e na capital Washington.

    Mais:

    EUA declaram estado de emergência após paralisação da rede de transporte de combustível
    Petrobras anuncia redução nos preços de diesel e gasolina
    Cobre é 'novo petróleo' e baixos estoques podem elevar preços nos próximos anos, dizem analistas
    Tags:
    crise, abastecimento, petróleo, gasolina, escassez, EUA, gasoduto
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar