22:26 23 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    173
    Nos siga no

    A Xiaomi e o governo dos EUA chegaram a um acordo para colocar à parte as restrições impostas à gigante tecnológica chinesa pela administração Trump.

    Responsável pela fabricação de eletrodomésticos, bicicletas elétricas e smartphones, a Xiaomi processou Washington no início de 2021, após o governo do ex-presidente republicano, Donald Trump, a ter colocado em uma espécie de lista negra para companhias chinesas que supostamente tivessem ligações com o Partido Comunista Chinês (PCC).

    Durante sua presidência, a Xiaomi caiu de imediato na mira da administração Trump, mesmo tendo afirmado várias vezes que não tinha qualquer conexão com o setor militar do gigante asiático, sob domínio do PCC.

    Agora, o Departamento de Defesa dos EUA, concordou em retirar a gigante tecnológica chinesa em causa dessa mesma lista, segundo a informação vinda dos tribunais estadunidenses na terça-feira (11), informa a agência Bloomberg.

    "Ambos os partidos concordaram em um jeito de resolver esta litigação sem necessidade de contestação", segundo o documento judicial, citado pela mídia. Antes de 20 de maio, ambos os lados deverão assinar propostas separadas de acordos conjuntos.

    Por enquanto, tanto a Xiaomi como os representantes do Departamento de Defesa dos EUA, ainda não comentaram sobre o sucedido.

    Mais:

    EUA exigem integração de Taiwan na OMS, levando a críticas da China sobre 'atividades separatistas'
    China ameaça retaliar contra Ericsson caso Suécia não autorize importação de equipamentos da Huawei
    Navio civil é suspeito de espionar China para militares dos EUA
    Tags:
    sanções, tecnologia, lista negra, EUA, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar