14:21 16 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    5301
    Nos siga no

    Suspensão da maior rede de fornecimento de combustível norte-americana pode causar aumento de preços a longo prazo, dependendo do tempo que os oleodutos fiquem fechados.

    Nesta sexta-feira (7), a Colonial Pipeline, principal operadora de dutos de combustível dos EUA, divulgou uma nota em seu site anunciando o fechamento de toda a sua rede após um ataque cibernético.

    A empresa disse que decidiu fechar suas redes como medida preventiva para conter futuras ameaças e que uma empresa terceirizada, especialista em ataque de hackers, já havia sido contactada para investigar o caso.

    O incidente pode causar graves efeitos no fornecimento de combustível do país, já que a Colonial Pipeline transporta 45% do combustível da Costa Leste dos EUA e chega a movimentar 2,5 milhões de barris por dia de gasolina, diesel, combustível de aviação e outros produtos refinados por dutos com cerca de 8.850 quilômetros de extensão.

    As ameaças de hackers à infraestrutura de governos e empresas têm crescido, levando a Casa Branca a responder com um plano para tentar aumentar a segurança dos serviços públicos e de seus fornecedores.

    Caminhões-tanque se alinham em uma instalação da Colonial Pipeline em Pelham, Alabama, EUA (foto de arquivo)
    © AP Photo / Jay Reeves
    Caminhões-tanque se alinham em uma instalação da Colonial Pipeline em Pelham, Alabama, EUA (foto de arquivo)

    A primeira etapa desse esforço, anunciada em 20 de abril, abordará as falhas de segurança na rede elétrica, antes de passar para outros setores, incluindo gasodutos e concessionárias de água do país, segundo a Bloomberg.

    Mais:

    Petrobras anuncia redução nos preços de diesel e gasolina
    Frota de bombardeiros B-1B dos EUA é mantida no solo após vazamento de combustível
    Programa 'Combustível do Futuro' pode gerar parceria Brasil-EUA, diz especialista
    Tags:
    preços de combustíveis, gasoduto, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar