08:59 23 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    11728
    Nos siga no

    Nesta sexta-feira (7), o secretário de Estado dos EUA afirmou no Conselho de Segurança da ONU que Washington está pronto para "se opor vigorosamente" aos países que minem a atual ordem internacional.

    Mesmo reconhecendo as violações de seu próprio país sob a administração Trump, Antony Blinken afirmou defender a "ordem internacional baseada em regras" e prometeu que a atual administração tomará um rumo diferente.

    "Nos oporemos vigorosamente quando virmos países minando a ordem internacional, fingindo que as regras que todos concordamos não existem, ou simplesmente violando-as à vontade. Porque, para que o sistema funcione, todos os países devem cumpri-las e trabalhar para o seu sucesso", afirmou.

    O chefe da diplomacia dos EUA também fez uma autocrítica:

    "Sei que nos últimos anos algumas das nossas ações têm prejudicado a ordem baseada em regras e levaram outros a questionar se ainda estamos comprometidos com ela. Em vez de apenas acreditarem em nossa palavra, pedimos ao mundo que julgue nosso compromisso por nossas ações", disse Blinken.

    O secretário de Estado acrescentou que a administração do presidente Joe Biden tem demonstrado ao mundo a sua vontade de cooperar no âmbito das organizações multilaterais.

    Como exemplo, ele citou o retorno de Washington ao Acordo de Paris e a reintegração à Organização Mundial da Saúde (OMS).

    Anteriormente Blinken afirmou os EUA não buscam conter a China mas defenderão a atual ordem mundial.

    Por sua vez, a chanceler da China, Wang Yi, afirmou que as regras estabelecidas pelos países ocidentais não podem ser normas para todo o mundo.

    "Nos Estados Unidos, alguns falam repetidamente sobre o reforço da 'ordem internacional baseada em regras'. A questão é: que regras são essas? E quem as estabeleceu?", questionou Wang Yi, o ministro chinês.

    "Se isso significa as regras feitas apenas pelos países ocidentais, então elas são feitas por apenas 12% da população mundial, e não devem ser as regras comuns para todos", defendeu.

    Mais:

    EUA não buscam 'conter' a China, mas defenderão a ordem mundial, diz Blinken
    EUA e aliados pressionarão Caracas até que a Venezuela 'volte à democracia', diz Blinken
    Ocidente deve ser 'muito cuidadoso' com o investimento chinês, diz Blinken
    Tags:
    ONU, Joe Biden, China, ordem mundial, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar