11:02 01 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    0 21
    Nos siga no

    Ministro da Fazenda da Colômbia, Alberto Carrasquilla renunciou ao cargo nesta segunda-feira (3), um dia após o presidente Iván Duque pedir a retirada do projeto de lei de reforma tributária apresentado ao Congresso.

    "Minha continuidade no governo dificultaria a construção rápida e eficiente dos consensos necessários para levar adiante outro projeto de reforma", afirmou Carrasquilla, em sua carta de renúncia a Duque.

    Em substituição de Carrasquilla, o presidente da Colômbia nomeou José Manuel Restrepo, que exerceu as funções de ministro do Comércio, Indústria e Turismo, tendo sido também chefe da pasta do Tesouro.

    A renúncia, segundo informações do portal RT, foi também motivada pela confirmação de 19 mortes durante a série de violentos protestos nas ruas nos últimos dias.

    ​Depois de um encontro cordial com o presidente da República, Iván Duque, o médico Alberto Carrasquilla anunciou a sua renúncia ao cargo de Ministro da Fazenda e Crédito Público a partir desta data [3].

    A violência que se seguiu contra a reforma tributária na Colômbia deixou também ao menos 800 feridos, enquanto as mobilizações continuavam nesta segunda-feira (3).

    O ministro da Defesa, Diego Molano, garantiu que os atos de violência foram "premeditados, organizados e financiados por grupos dissidentes das FARC (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia)", que se afastaram do acordo de paz assinado em 2016.

    Ex-guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) participam de protesto exigindo garantias de segurança e cumprimento dos acordos de paz assinados com o governo, em Bogotá, Colômbia, 1º de novembro de 2020
    © REUTERS / Luisa Gonzalez
    Ex-guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) participam de protesto exigindo garantias de segurança e cumprimento dos acordos de paz assinados com o governo, em Bogotá, Colômbia, 1º de novembro de 2020

    Pressionado pelas manifestações nas ruas, o presidente Duque ordenou no domingo (2) a retirada da proposta que era debatida no Congresso. Em seguida, ele propôs a elaboração de um novo projeto que descarta os principais pontos de discórdia: o aumento do ICMS sobre serviços e mercadorias e a ampliação da base de contribuintes com imposto de renda.

    A Colômbia é o terceiro país da América Latina com o maior número de infecções por COVID-19 (2,8 milhões), atrás do Brasil e da Argentina. Em termos de mortes (74.700), só é superado na região pelo Brasil e pelo México.

    Agentes funerários carregam caixão de vítima da COVID-19 em Bogotá, na Colômbia.
    © AP Photo / Ivan Valencia
    Agentes funerários carregam caixão de vítima da COVID-19 em Bogotá, na Colômbia.

    Mais:

    Chanceler venezuelano denuncia Colômbia após ataque a menores de idade
    Encontrada casa de lendária viking que atravessou Atlântico 500 anos antes de Colombo
    Maduro avisa Forças Armadas para que fiquem atentas às ameaças da Colômbia
    'Brasil não teria legitimidade de mediar conflito em fronteira Venezuela-Colômbia', diz analista
    Tags:
    COVID-19, protestos violentos, renuncia, protestos, reforma tributária, reforma política, reforma, reforma, Colômbia, Congresso colombiano
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar