05:09 12 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    7528
    Nos siga no

    Agência de inteligência norte-americana acredita que o aumento do arsenal nuclear chinês está acontecendo de forma mais veloz do que a calculada, e alerta para a presença chinesa em outros continentes.

    Nesta quinta-feira (29), durante a Audiência de Serviços Armados do Senado no Capitólio, em Washington, o tenente-general Scott Berrier, diretor da Agência de Inteligência de Defesa (DIA, na sigla em inglês), falou sobre o aumento do arsenal nuclear chinês, assim como a presença militar chinesa em países da África e da América do Sul.

    O senador Jim Inhofe, que também estava na audiência, reportou as considerações do diretor da DIA em um post na sua conta no Twitter.

    ​A China está se tornando mais agressiva - expandindo sua projeção de poder ao redor do mundo, inclusive na África. Eu mesmo vi evidências disso. O diretor da DIA, tenente-general Berrier, confirmou hoje (29) que a China está procurando colocar forças militares na África, bem como na América Latina e América do Sul.

    De acordo com o general, a rápida acumulação nuclear é parte de uma "modernização militar maciça" por Pequim, lançada para servir como um "dissuasor".

    "Desde então, Pequim acelerou sua expansão nuclear e está a caminho de superar nossa projeção anterior. Espera-se que as forças nucleares do ELP continuem a crescer com seu estoque nuclear e dobrem de tamanho nesta década, aumentando assim a ameaça à pátria dos EUA", disse o tenete-general Berrier.

    O Exército de Libertação Popular (ELP) foi estimado pela DIA, em 2020, como estando em vias de dobrar seu estoque de ogivas nucleares até o ano de 2030.

    No dia 13 de abril, os esforços do país asiático para expandir sua influência também foram considerados uma das maiores ameaças aos EUA pelo Comitê de Inteligência do Senado dos Estados Unidos (SSCI, na sigla em inglês), após a divulgação do seu relatório anual alertando sobre os amplos desafios colocados por Pequim, delineando não só questões militares, mas também operações de inteligência intensificadas e ataques cibernéticos.

    O relatório coloca a pressão da China por "poder global" em primeiro lugar na lista de ameaças, seguida pela Rússia, Irã e Coreia do Norte, dizendo que "Pequim é cada vez mais um competidor próximo, desafiando os Estados Unidos em múltiplas arenas - especialmente economicamente, militarmente e tecnologicamente - e está pressionando para mudar as normas globais".

    Assim como a previsão do diretor da DIA, o relatório afirmou que Pequim "não estava interessada em acordos de controle de armas que restringem seus planos de modernização".

    A China teria despertado a ira de Washington quando se recusou a participar das negociações em 2020 entre os EUA e a Rússia sobre a extensão de seu tratado bilateral de redução de armas nucleares, o Novo START.

    Mais:

    'Tambores de guerra': China insta Austrália a 'largar mentalidade da Guerra Fria'
    EUA avaliam necessidade de criptomoeda do banco central e descartam uso de yuan digital da China
    Pequim: atividade militar dos EUA em áreas reivindicadas pela China aumentou muito com governo Biden
    Tags:
    inteligência, arma nuclear, EUA, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar