17:30 06 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    Mundo enfrenta pandemia no fim de abril de 2021 (77)
    150
    Nos siga no

    O presidente eleito do Equador, Guillermo Lasso, disse hoje (26) que pediu ajuda aos governos de Rússia, China e Estados Unidos para obter mais vacinas contra a COVID-19.

    O ex-banqueiro conservador Lasso assumirá o cargo em 24 de maio e prometeu imunizar nove milhões de pessoas, pouco mais da metade da população do país, em seus primeiros 100 dias de governo, como parte de sua estratégia para reabrir a economia equatoriana. 

    Para isso, o futuro chefe de Estado pediu apoio ao governo da Rússia para adquirir a vacina Sputnik V, e já iniciou um processo para a aquisição de doses. Além disso, Lasso solicitou ao presidente chinês Xi Jinping a venda de um número maior de doses adicionais às negociadas com o atual presidente, Lenín Moreno, e a antecipação do cronograma de entrega das que já foram adquiridas. O Equador ainda espera a chegada de um milhão de doses da CoronaVac, o imunizante desenvolvido pelo laboratório chinês Sinovac.

    Iniciei negociações para adquirir vacinas com outros governos, incluindo os de Estados Unidos, China, Rússia e países da América Latina. Vamos cumprir nossa meta de vacinar nove milhões de equatorianos nos primeiros 100 dias de governo.

    Lasso assinalou que a China doou cerca de 200 mil doses como felicitação por seu triunfo eleitoral de 11 de abril, e acrescentou que também está fazendo contato com o governo dos Estados Unidos.

    "Este é um objetivo fundamental prioritário, que nos permitirá sair deste pesadelo mortal que está sendo a pandemia. Além disso, significará o início da decolagem econômica do Equador", afirmou Lasso durante a apresentação dos nomes que integrarão a área social de seu governo.

    O presidente eleito indicou como titular do Ministério da Saúde de seu futuro governo Ximena Garzón, uma médica especialista em Saúde Pública e professora universitária, cuja principal tarefa será acelerar o plano de vacinação do país. Desde janeiro, a campanha de imunização avança com lentidão e em meio a acusações de "fura-fila" e mudanças frequentes de ministros.

    Será uma honra para o nosso governo contar com a liderança e a preparação da dr. Ximena Garzón no Ministério da Saúde. Temos o maior e mais nobre desafio: salvar o futuro de um país inteiro. Temos certeza de que vamos conseguir, a saúde das famílias é uma prioridade.

    O Equador vive um aumento constante de infecções do coronavírus que tem sobrecarregado a capacidade do sistema de saúde. O país registra quase 375 mil casos acumulados e 18.300 óbitos confirmados ou prováveis por COVID-19, de acordo com os dados oficiais.

    O atual governo declarou o toque de recolher noturno e o confinamento durante os fins de semana, até 20 de maio, para conter o novo surto no país, em meio às críticas dos setores produtivo e comercial, que vêm sofrendo fortes perdas pela pandemia desde o ano passado.

    Moreno, por sua vez, afirmou que já negociou 20 milhões de doses de vacinas com Pfizer, Sinovac e AstraZeneca através da iniciativa COVAX Facility, liderada pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

    Tema:
    Mundo enfrenta pandemia no fim de abril de 2021 (77)

    Mais:

    Chile doa 20.000 doses de CoronaVac ao Equador
    Equador inicia testes de vacina doméstica contra a COVID-19
    Lasso proclama vitória nas eleições presidenciais no Equador e Arauz admite derrota (VÍDEO)
    Tags:
    Sputnik V, Vacina CoronaVac, Rússia, EUA, China, vacina, COVID-19, Guillermo Lasso, Equador
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar