23:19 20 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    158
    Nos siga no

    O Brasil anunciou um programa de incentivos para a energia limpa, o Combustível do Futuro, com ambição de dar passos na direção da transição energética. Para discutir o assunto, a Sputnik Brasil ouviu o economista Rodrigo Leão, especialista no setor de energia.

    Na quarta-feira (22), o Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) aprovou uma resolução criando o programa Combustível do Futuro, com a finalidade de buscar fontes alternativas de energia e fortalecer o desenvolvimento tecnológico nacional para a transição energética mundial.

    No dia 13 de abril, o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, já havia adiantado a criação do programa, durante conferência virtual, na qual ele se referiu à iniciativa como "Biocombustível do Futuro". Sem detalhar a medida, o ministro afirmou que há tratativas com os Estados Unidos para uma parceria com o Brasil para o desenvolvimento de biocombustíveis.

    Rodrigo Leão, economista e coordenador do Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (INEEP), enfatiza que o programa ainda não foi suficientemente detalhado, mas que já é possível apontar alguns caminhos que a iniciativa pode seguir.

    "Acho meio difícil a gente conseguir delimitar o escopo desse programa. Acredito que deva ter um conjunto de políticas públicas, sejam de crédito ou até de tecnologia, para o desenvolvimento de novos combustíveis renováveis ou, pelo menos, menos fósseis, vamos assim dizer, com uma menor incidência de insumos fósseis", afirma Leão em entrevista à Sputnik Brasil.

    Na avaliação do economista, o programa também pode apontar para o uso de combustíveis ainda pouco utilizados no país, como o hidrogênio e o diesel verde. Apesar disso, é possível que a iniciativa busque ampliar o uso de outros combustíveis já utilizados no Brasil, como o biodiesel.

    Ao comentar sobre a mudança na matriz energética de combustíveis para fontes renováveis, o especialista afirma que ainda não é possível saber qual será o tipo de combustível que deve liderar a transição.

    "O que a gente está vendo nesse momento é uma redução do uso dos combustíveis fósseis, principalmente do carvão e, em uma escala um pouco menor, do petróleo. O que a gente está observando é que o combustível que deve capitanear a transição energética vai ser o gás natural, mas é um combustível também fóssil, não é um combustível limpo, embora ele suje menos do que petróleo e carvão. Agora, dado esse processo de transição do fóssil para o renovável, acho que ainda há muitas dúvidas se vai haver um combustível que vai puxar a demanda de energia no mundo", aponta Leão, ressaltando que essa é ainda uma questão em aberto.

    Para o economista, esse contexto é ditado por uma série de fatores, como oferta e preço, além de componentes geopolíticos, e por enquanto não há um combustível que desponte no papel que o petróleo e o carvão assumiram no século passado. Segundo ele, a prioridade entre os países continua sendo a garantia da segurança energética, acima da escolha por energia limpa.

    Usina São Martinho, de cana-de-açúcar, durante produção de etanol e açúcar, no município de Pradópolis, no interior de São Paulo no dia 14 de maio de 2020
    © Folhapress / Celio Messias/Uaifoto
    Usina São Martinho, de cana-de-açúcar, durante produção de etanol e açúcar, no município de Pradópolis, no interior de São Paulo no dia 14 de maio de 2020

    Apesar disso, Leão acredita que os biocombustíveis continuam tendo um papel importante, principalmente na redução da emissão dos gases estufa.

    "Os biocombustíveis também têm uma vantagem em relação a outras energias renováveis, como eólica e solar. A sua capacidade de comercialização, por se tratar de um bem líquido, você consegue transportar estocar de maneira muito mais fácil", afirma o economista.

    Já entre as desvantagens dos biocombustíveis, Leão aponta a necessidade do uso e manejo do solo, assim como da variação de culturas a depender do clima local da plantação.

    "Agora, sem dúvida do ponto de vista, acho, que é o foco da discussão ambiental hoje, que é a discussão da emissão de gases de efeito estufa, sem dúvida os biocombustíveis podem ter um papel importante", afirma.

    Cooperação com os EUA e Cúpula do Clima

    Sobre a possível cooperação com os Estados Unidos no desenvolvimento de biocombustíveis, citada pelo ministro de Minas e Energia, Leão aponta que a cooperação pode caminhar na produção do chamado diesel verde, considerado menos poluente do que o diesel comum. O economista lembra que a Petrobras já deu início ao desenvolvimento e produção do biocombustível.

    "Essa é uma tecnologia que está sendo usada nas usinas dos EUA, então acredito que essa parceria pode passar por aí, na tentativa de aumentar a produção de diesel verde [...]. Os EUA têm avançado muito nessa tecnologia, aproveitando a sinergia das suas refinarias com a produção de biocombustíveis", aponta.

    O especialista no setor de energia lembra que há casos de refinarias dos EUA que foram convertidas para a produção de biocombustíveis e que uma possível cooperação com o Brasil pode também passar por esse processo de conversão, apesar de acreditar que ainda é prematuro fazer uma avaliação clara sem diretrizes concretas do governo brasileiro.

    Presidente Jair Bolsonaro e membros do governo federal ouvindo a fala do líder norte-americano Joe Biden durante a Cúpula do Clima, 22 de abril de 2021
    © AFP 2021 / Marcos Correa / Presidência do Brasil
    Presidente Jair Bolsonaro e membros do governo federal ouvindo a fala do líder norte-americano Joe Biden durante a Cúpula do Clima, 22 de abril de 2021

    Essa possível articulação pode passar também pelos resultados da Cúpula do Clima, realizada entre os dias 22 e 23 de abril deste ano. Convocada pelo presidente norte-americano Joe Biden, o encontro virtual entre os principais líderes do mundo teve como finalidade o estabelecimento de compromissos com a questão ambiental, incluindo o Brasil, que vinha sob pressão de Washington.

    "Se a gente fizer uma análise do discurso do presidente Jair Bolsonaro na Cúpula do Clima, ele claramente foi muito mais brando ou foi menos agressivo do que naquele discurso um pouco anti-ambiental que ele vinha usando [...]. Acho que esse anúncio desse programa, principalmente mencionar a parceria com os EUA, com certeza está nesse bloco do Brasil tentando readequar seu discurso para um mundo que está se transformando com a chegada do Biden", aponta.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Cúpula do Clima: EUA prometem reduzir emissões pela metade até 2030
    Cúpula do Clima: Rússia convida países para projetos conjuntos de combate às mudanças climáticas
    'EUA esperam trabalhar com Rússia': Biden muito 'animado' com apelo de Putin na Cúpula do Clima
    Tags:
    Brasil, Jair Bolsonaro, Petrobras, Joe Biden, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar