06:18 10 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    Situação da COVID-19 em meados de abril no Brasil (74)
    156
    Nos siga no

    O Brasil ultrapassou Estados Unidos, México e Peru e se tornou o país com mais mortes por COVID-19 do continente americano em relação à sua população total.

    Após o avanço da pandemia no país nas últimas semanas, o Brasil agora tem 1.756 mortes a cada um milhão de habitantes. Peru (1.722), EUA (1.731) e México (1.646) aparecem logo na sequência neste ranking.

    Os dados são do site Our World in Data, conforme noticiado pelo G1.

    Depois dos quatro países, os piores colocados com mais mortes por COVID-19 proporcionais à população são: Panamá (1.434), Colômbia (1.342), Chile (1.317), Argentina (1.310), Bolívia (1.083) e Equador (1.003).

    Parentes choram a morte de ente querido por COVID-19 num cemitério em Ciudad Juarez, no México no dia 2 de dezembro de 2020
    © REUTERS . JOSE LUIS GONZALEZ
    Parentes choram a morte de ente querido por COVID-19 num cemitério em Ciudad Juarez, no México no dia 2 de dezembro de 2020

    Na média, a América do Sul registra 1.445 mortes a cada um milhão de habitantes. Já a América do Norte tem média de 1.406 óbitos.

    Em números absolutos, os EUA continuam sendo o país com mais vítimas da doença no mundo, com 567 mil óbitos. O Brasil vem logo depois, com 373 mil, seguido pelo México, com 212 mil.

    No ranking mundial de óbitos a cada um milhão de habitantes, o Brasil ocupa a 13ª posição.

    Tema:
    Situação da COVID-19 em meados de abril no Brasil (74)

    Mais:

    Exército Brasileiro poderia ser mais utilizado para combater a COVID-19, diz imunologista
    Dia do Índio: data comemorativa é marcada pelo avanço da COVID-19 entre as tribos do Brasil
    COVID-19: saiba como funciona algoritmo que alertou sobre 2ª onda da doença na Argentina
    Tags:
    peru, México, Estados Unidos, América do Norte, América do Sul, Brasil, pandemia, novo coronavírus, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar