17:52 12 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    131551
    Nos siga no

    O governo dos Estados Unidos prepara a expulsão de dez diplomatas russos além da imposição de sanções contra cidadãos e organizações da Rússia.

    Conforme publicou a Bloomberg, nesta quarta-feira (14), fontes ouvidas pelo site afirmam que Washington, além de expulsar os diplomatas, pretende impor sanções contra 12 cidadãos e 20 organizações da Rússia.

    Segundo as informações, as medidas são uma resposta da gestão do presidente norte-americano, Joe Biden, contra suposta interferência russa durante as eleições presidenciais de 2020, que deram a vitória ao democrata. Além disso, as ações também são uma retaliação contra acusações de ataques cibernéticos.

    Entre os cidadãos que devem ser sancionados pelos EUA estão incluídos membros do governo da Rússia e funcionários da inteligência russa. A expectativa é que as medidas sejam anunciadas em breve, possivelmente já na quinta-feira (15).

    As ações do governo norte-americano vêm no dia seguinte de uma conversa entre Biden e o presidente russo, Vladimir Putin. Por telefone, os mandatários discutiram questões de interesse de seus países e Biden sugeriu a realização de um encontro com Putin em um país terceiro para debater as tensões entre Washington e Moscou. O presidente norte-americano teria alegado que busca estabelecer uma relação "estável com a Rússia".

    Presidente Vladimir Putin em uma ligação telefônica
    © Sputnik / Aleksei Nikolsky
    Presidente Vladimir Putin em uma ligação telefônica

    As tensões entre os países têm aumentado nas últimas semanas. Em meados de março, Biden prometeu que a Rússia pagaria pela suposta interferência nas eleições norte-americanas e chamou Putin de "assassino" durante entrevista ao canal de televisão ABC. Putin respondeu Biden com desejos de saúde e ofereceu o diálogo como forma de manter o relacionamento entre os países. 

    Não é a primeira vez que órgãos do governo norte-americano acusam a Rússia de interferir nas eleições presidenciais do país. Em 2016, quando Donald Trump foi eleito presidente, surgiram acusações semelhantes apontando que Moscou teria interferido no pleito para favorecer o republicano.

    Dessa vez, a acusação é de que houve ações para atrapalhar Biden. O governo russo nega as acusações veementemente e ressalta que não há provas que indiquem tal situação. Na semana passada o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, apontou que eventuais sanções seriam retaliadas pelo Kremlin.

    Mais:

    Caça russo MiG-31 levanta voo para acompanhar avião espião RC-135 dos EUA (VÍDEO)
    EUA estariam 'irritados' com planos de Berlim de comprar Sputnik V citando sanções anti-russas
    EUA temem poder de China e Rússia e preveem protestos violentos na América Latina, diz relatório
    Ex-chefe do Pentágono pede mais tropas dos EUA no mar Negro para 'continuar enfrentando a Rússia'
    Navios russos se dirigem para mar Negro em meio à chegada de destróieres dos EUA (VÍDEO)
    Tags:
    Sergei Lavrov, Kremlin, Vladimir Putin, Washington, Moscou, Joe Biden, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar