17:33 06 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    Situação da COVID-19 em meados de abril no mundo (75)
    0 61
    Nos siga no

    Governo venezuelano quer usar fundos congelados nos EUA para pagar por vacinas contra a COVID-19 e trabalha com a oposição nas negociações. Venezuela recebeu 750 mil doses de países aliados, como Rússia e China.

    Aliados do líder da oposição Juan Guaidó na Venezuela estão há meses em negociações com autoridades estatais para o uso dos fundos congelados pelo Tesouro dos Estados Unidos - como parte das sanções contra o governo do presidente Nicolás Maduro – no pagamento de vacinas contra a COVID-19 por meio do programa COVAX, disse o chefe da legislatura controlada pelo governo nesta terça-feira (13).

    Maduro disse no fim de semana que seu governo pagou cerca de US$ 64 milhões (equivalentes a mais de R$ 365 milhões) à Aliança GAVI de vacinas, levantando dúvidas sobre se o governo encerraria as negociações para usar os fundos congelados para a campanha de vacinação.

    Nicolás Maduro, presidente da Venezuela, gesticula durante discurso em Caracas, Venezuela, 28 de março de 2021
    © REUTERS / Palácio Miraflores
    Nicolás Maduro, presidente da Venezuela, gesticula durante discurso em Caracas, Venezuela, 28 de março de 2021

    Jorge Rodríguez, chefe da Assembleia Nacional dominada pelo Partido Socialista no poder, disse que as negociações sobre os fundos "sequestrados" vão continuar.

    "Se mais recursos sequestrados forem usados, será para comprar as vacinas necessárias por meio da Organização Pan-Americana da Saúde e da Organização Mundial da Saúde (OMS)", anunciou Rodríguez em coletiva de imprensa.

    Em 2019, Washington congelou US$ 342 milhões (quase R$ 2 bilhões) em poder do Banco Central venezuelano nos EUA, como parte de um programa de sanções que pretendia tirar Maduro da presidência. Os fundos foram colocados sob o controle do líder da oposição Guaidó e do governo provisório que ele criou, mas, para movê-los, é necessária uma autorização do Tesouro norte-americano.

    Um grupo de trabalho criado no ano passado para garantir o acesso da Venezuela ao programa COVAX, que inclui funcionários do Ministério da Saúde e assessores de Guaidó, continuará tentando usar os fundos da Agência de Controle de Ativos Estrangeiros dos EUA (OFAC, órgão do Tesouro) para vacinas, disse Rodríguez.

    O líder da oposição venezuelana Juan Guaidó remove sua máscara ao chegar a uma entrevista coletiva em Caracas, Venezuela, em 3 de março de 2021
    O líder da oposição venezuelana Juan Guaidó remove sua máscara ao chegar a uma entrevista coletiva em Caracas, Venezuela, em 3 de março de 2021

    Foi a primeira vez que um funcionário do governo reconheceu publicamente as discussões com os aliados de Guaidó, que ele descreveu como "sequestradores".

    O grupo empresarial Fedecámaras apresentou no mês passado um plano de aquisição de vacinas para trabalhadores do setor privado e seus familiares e que foi entregue a Rodríguez, que é uma figura influente no governo de Maduro. Rodríguez disse que o plano apresentado por Fedecámaras "não está morto".

    A Venezuela recebeu 750 mil doses de vacinas fornecidas por países aliados, como Rússia e China, que as autoridades dizem ter sido administradas em profissionais de saúde.

    Tema:
    Situação da COVID-19 em meados de abril no mundo (75)

    Mais:

    Rússia inicia desenvolvimento de mais uma vacina contra COVID-19
    Chefe do Tesouro dos EUA diz que criptomoedas são 'problema crescente'
    Venezuela denuncia a fórum da ONU perseguição financeira dos EUA e UE
    Presidente eleito do Equador pede aumento da pressão internacional sobre a Venezuela
    Tags:
    Departamento de Controle de Ativos Estrangeiros do Departamento do Tesouro dos EUA (OFAC), Juan Guaidó, Nicolás Maduro, Venezuela, COVAX Facility, vacina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar