13:20 11 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    Situação da COVID-19 em meados de abril no mundo (75)
    7616
    Nos siga no

    O secretário de Estados dos EUA relatou sobre as preocupações norte-americanas em relação às ações agressivas da China em Taiwan. Além disso, afirmou que a falha chinesa em fornecer acesso a especialistas globais em saúde a informações quando surgiram os primeiros casos do coronavírus, fez a pandemia da COVID-19 ser pior do que deveria.

    No domingo (11), o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, afirmou que os Estados Unidos estão preocupados com as ações agressivas da China em relação a Taiwan e avisou que seria um "erro grave" para qualquer um tentar mudar o status quo no Pacífico Ocidental pela força, segundo a agência Reuters.

    "O que vimos, e o que realmente nos preocupa, são as ações cada vez mais agressivas do governo chinês dirigidas a Taiwan, aumentando as tensões no estreito [de Taiwan]", disse Blinken em entrevista para a NBC.

    Questionado se os Estados Unidos responderiam militarmente a uma ação chinesa em Taipé, Blinken se recusou a comentar um cenário hipotético.

    "Tudo o que posso dizer é que temos um sério compromisso para que Taiwan seja capaz de se defender. Temos um compromisso com a paz e a segurança no Pacífico Ocidental", comentou o secretário de Estados dos EUA.

    "Estamos por trás desses compromissos. E nesse contexto, seria um erro grave para qualquer um tentar mudar esse status quo pela força", declarou Blinken.

    Vírus 'saiu do controle' por falha da China

    Além disso, o secretário de Estado afirmou que a falha chinesa em fornecer acesso a especialistas globais em saúde fez a pandemia da COVID-19 ser pior do que deveria, e que é importante "chegar ao fundo" da origem do novo coronavírus.

    Segundo o secretário, "a China não deu acesso a especialistas internacionais e não compartilhou informações em tempo real para garantir a transparência verdadeira". Como resultado, o vírus "saiu do controle mais rápido e com resultados muito mais notórios do que poderia ser caso contrário", disse Blinken.

    Ele também destacou a necessidade de haver um sistema global de segurança sanitária mais forte para garantir que uma pandemia como a da COVID-19 não aconteça de novo. As reformas para esse sistema devem incluir transparência, compartilhamento de informações, acesso a especialistas e "a China deve participar disso", disse o secretário.

    Blinken também afirmou que é importante realizar um relatório mais confiável de como a pandemia começou.

    "Precisamos fazer isso precisamente para entender por completo o que aconteceu, e assim, impedir que isso aconteça novamente. Por isso, precisamos chegar ao fundo disso", declarou Blinken.

    Quando o relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS) foi publicado em março, os Estados Unidos, a União Europeia (UE) e os países ocidentais apelaram à China para dar "acesso total" a especialistas independentes a todos os dados sobre o começo do surto do novo coronavírus no final de 2019.

    Tema:
    Situação da COVID-19 em meados de abril no mundo (75)

    Mais:

    Pequim realiza perfuração nas águas disputadas do mar do Sul da China, diz Reuters
    EUA enviam porta-aviões ao mar do Sul da China em meio a tensões entre Pequim e Manila
    'Abriremos fogo' sobre drones da China que se aproximem, se for preciso, afirma Taiwan
    OMS volta a alertar o Brasil e lembra: 'As medidas sociais funcionam'
    OMS confirma possibilidade de transmissão da COVID-19 de humanos para gatos, cães e outros animais
    Tags:
    OMS, pandemia, COVID-19, Taiwan, China, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar