00:41 18 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    71029
    Nos siga no

    Relações entre Washington e Pequim foram prejudicadas por tensões relacionadas a uma ampla gama de questões nos últimos anos, incluindo o impasse comercial em curso entre as duas superpotências.

    Os EUA colocaram na lista negra sete empresas chinesas de computação por seus alegados "esforços desestabilizadores de modernização militar", anunciou o Departamento de Comércio norte-americano nesta quinta-feira (8).

    "O Escritório de Indústria e Segurança [BIS, na sigla em inglês] do Departamento de Comércio [dos EUA] adicionou sete entidades de computação chinesas à lista de entidades por conduzir atividades que são contrárias à segurança nacional ou aos interesses da política externa dos EUA", lê-se no comunicado, citado pela agência Reuters.

    O Departamento de Comércio dos EUA acrescenta que "essas entidades estão envolvidas na construção de supercomputadores usados pelos atores militares da China, [e para] seus esforços desestabilizadores de modernização militar e/ou programas de armas de destruição em massa (ADM, na sigla em inglês)".

    Em março, os EUA estabeleceram uma política relacionada à China na qual o país asiático foi apelidado de "o único competidor potencialmente capaz de combinar seu poder econômico, diplomático, militar e tecnológico para estabelecer um desafio sustentado a um sistema estável e internacional".

    A China pediu repetidamente o restabelecimento do diálogo, desde que Washington abandone suas políticas de sanções e enfatizou que Pequim nunca se intrometeu nos assuntos internos dos EUA.

    Sanções da administração Trump

    Em janeiro, o então presidente dos EUA, o republicano Donald Trump, assinou uma ordem que fortalece a proibição de investimentos norte-americanos em empresas ligadas a militares chineses. A decisão alargava o âmbito de uma ordem executiva anterior de novembro de 2020, que, primeiramente, apenas restringia investidores norte-americanos de comprarem títulos nessas empresas após novembro de 2021.

    Donald Trump assina documentos na Casa Branca
    © AP Photo / Susan Walsh
    Donald Trump assina documentos na Casa Branca
    Em dezembro de 2020, os EUA designaram 45 empresas russas e 58 chinesas como entidades estrangeiras com laços militares, restringindo exportações, reexportações e transferências com as mesmas.

    Também em janeiro, uma das maiores fabricantes globais de smartphones, a gigante chinesa Xiaomi apresentou uma queixa no Tribunal do Distrito de Columbia, EUA, contra o Departamento do Tesouro e o Pentágono, exigindo que fosse retirada da lista negra e afirmando que a decisão de colocá-la na lista foi "ilegal e inconstitucional". Xiaomi insiste que não tem conexão com o Exército de Libertação Popular (ELP) da China, apontando uma "quantidade substancial" de cidadãos americanos que têm grandes participações na empresa.

    Mais:

    FMI: China deve crescer 8,4% em 2021; já os EUA, 6,4%
    EUA consideram boicotar Jogos Olímpicos de Pequim de 2022 por violações de direitos humanos na China
    Exército chinês acusa EUA de prejudicarem estabilidade regional ao enviarem 'sinal errado'
    Após destróier dos EUA passar por Taiwan, China indaga chance de ter navio no golfo do México
    Tags:
    lista negra, lista, empresas, China, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar