13:54 31 Julho 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    COVID-19 no mundo no final de março de 2021 (98)
    0 200
    Nos siga no

    A droga Carvativir, desenvolvida pelo Instituto Venezuelano de Pesquisas Científicas (IVIC, na sigla em espanhol), foi anunciada pelo governo como um "antiviral" para "uso profilático, terapêutico e regenerativo" e inibição do coronavírus.

    O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou neste domingo (21), a distribuição e comercialização massiva do Carvativir, um "antiviral" desenvolvido por cientistas do IVIC que, segundo autoridades sanitárias, serviria para inibir o coronavírus. Maduro fez o anúncio ao relatar a implementação de duas semanas de quarentena radical no país, devido ao aumento dos casos da COVID-19.

    "Vamos distribuir o Carvativir em todo o país para seu uso profilático, terapêutico e regenerativo. Depois dos estudos farmacológicos, este antiviral foi aprovado pelas autoridades sanitárias venezuelanas", frisou o presidente.

    A autorização do novo medicamento é dada justamente quando o governo passa a intensificar alertas sobre os riscos da segunda onda de infecções da COVID-19. Situação que foi agravada, em grande parte, pela entrada da variante brasileira conhecida como P1 e pelo aparente relaxamento da população em cuidados preventivos.

    Durante seu discurso, Maduro elogiou os benefícios farmacológicos do Carvativir e estimulou o uso como terapia para pacientes enfermos e até mesmo como um medicamento regenerativo para pessoas convalescendo da doença.

    ​Certificado! Os cientistas do IVIC confirmam que o Carvativir demonstrou capacidade antiviral para bloquear a infecção por SARS-CoV-2. Os pesquisadores confirmaram hoje (1/2) que esta droga teria efeitos potencialmente positivos na saúde do paciente.

    O processo de distribuição do Carvativir na Venezuela começou nesta semana de forma gratuita nos hospitais e em breve deverá ser disponibilizado para venda em farmácias do país sul-americano.

    O que é o Carvativir?

    O Carvativir é apresentado pelas autoridades venezuelanas como um medicamento natural e inofensivo que atua como um "poderoso antiviral", composto por uma molécula purificada, sintetizada e modificada: o isotimol, medicamento que estimula a resposta imunológica em humanos. Eles alegam que o Carvativir atua como adversário do coronavírus na replicação de sua carga viral, a ponto de neutralizá-la ao aplicar um tratamento prolongado, explicam os pesquisadores encarregados do projeto.

    A Autoridade Única de Saúde Barinas juntamente com o Chefe Regional de Epidemiologia e Diretores dos Hospitais Sentinela receberam 649 tratamentos das gotas milagrosas, dr. José Gregorio Hernández, Carvativir para pacientes sintomáticos COVID-19.

    O potencial terapêutico deste excipiente foi verificado por meio de diferentes testes clínicos e laboratoriais, analisados por nove meses contínuos pelos cientistas, e só agora as autoridades venezuelanas aprovaram a produção, comercialização e distribuição para uso no país.

    A pesquisa Carvativir corresponde à linha de avaliação de compostos naturais e sintéticos contra o SARS-CoV-2, como parte de um projeto selecionado no Registro Nacional de Pesquisadores, explica um escritório do Ministério da Ciência e Tecnologia da Venezuela. O virologista venezuelano, Héctor Rangel, que dirige pesquisas sobre drogas potenciais contra COVID-19 no país, disse que a droga age favoravelmente contra células infectadas com o coronavírus.

    "Com o aumento das concentrações do Carvativir, foi observada uma diminuição na formação de placas líticas. Isso indica uma atividade antiviral", disse o especialista, que explicou que o medicamento teria a capacidade de impedir a replicação viral do coronavírus no corpo do paciente.

    Mesmo com o anúncio da medicação contra a COVID-19, a Venezuela segue estimulando medidas de prevenção e isolamento social.

    Tema:
    COVID-19 no mundo no final de março de 2021 (98)

    Mais:

    Venezuela identifica casos de variante brasileira do coronavírus, anuncia Maduro
    Venezuela não aprovará o uso da vacina da AstraZeneca contra COVID-19
    Brasil registra recorde de 3.251 mortes pela COVID-19 e óbitos se aproximam de 300 mil
    Taiwan ajudará aliados a comprar vacinas contra COVID-19, menos da China, diz mídia
    Tags:
    combate, distribuição, COVID-19, medicamento, Venezuela, Nicolás Maduro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar