18:35 15 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    246
    Nos siga no

    Nesta quarta-feira (17), Antony Blinken, secretário de Estado dos EUA, afirmou que a China estava agindo agressiva e repressivamente, citando as ações chinesas nos mares da China Oriental e do Sul da China, onde há disputas com Japão, como exemplo.

    Falando com jornalistas japoneses em Tóquio, Blinken afirmou que o gigante asiático está "aumentando as tensões em vez de as diminuir" na região, devido às suas atividades marítimas e sua postura em relação a Taiwan, segundo a agência Reuters.

    Na perspectiva de Blinken, Pequim estava "agindo mais repressivamente em casa, e mais agressivamente no exterior, incluindo no mar da China Oriental e no que diz respeito às ilhas Senkaku [referidas pela China como ilhas Diaoyu], bem como no mar do Sul da China e no que toca a Taiwan", citado pela mídia.

    As pretensões territoriais chinesas têm se tornado um assunto prioritário nas relações sino-americanas, e de igual modo um assunto securitário muito importante para o Japão, principal aliado dos EUA na região.

    "O Japão tem um profundo interesse no que se passa em Taiwan e no estreito de Taiwan, e nós passamos algum tempo comparando notas sobre o assunto", comentou Biden, referindo-se às conversações com as autoridades japonesas na terça-feira (16), citado pela Reuters.

    No encontro em Tóquio, EUA e Japão voltaram a jurar trabalhar juntos em sua linha de defesa contra China, afirmando estar prontos para agir se Pequim continuar com comportamentos desestabilizadores da paz e segurança regionais, informa a agência Anadolu.

    Em comunicado conjunto, ambas as nações aliadas apontaram que "o comportamento da China foi inconsistente com a ordem internacional existente, [e] apresenta desafios políticos, econômicos, militares e tecnológicos à Aliança e à comunidade internacional", citadas pela mídia turca.

    Perante as ameaças advindas do gigante asiático no campo de disputas territoriais entre a China e o Japão, Washington voltou a reafirmar o seu compromisso em assegurar a defesa do Japão sob o Artigo 5 do Tratado de Segurança Japão-EUA, que obriga Washington a intervir caso o território japonês esteja sob ataque militar, incluindo suas ilhas.

    Nesta semana, é esperado um encontro entre oficiais norte-americanos e chineses no estado americano do Alasca. No encontro, Blinken espera conseguir tornar os termos dos EUA alusivos às ações tomadas por Pequim aos seus hóspedes asiáticos.

    Mais:

    China pode invadir Taiwan nos próximos 6 anos, diz liderança militar dos EUA na região Ásia-Pacífico
    China avisa EUA para não cruzarem 'linha vermelha' de Taiwan e Hong Kong
    EUA e Japão prorrogam acordo sobre tropas e expressam preocupação com 'assertividade' da China
    Tags:
    EUA, China, Japão, Segurança, tensão geopolítica
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar