07:32 24 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    6519
    Nos siga no

    Os Estados Unidos não garantirão à China qualquer melhoraria nas relações até que Pequim pare sua coerção econômica imposta à Austrália, afirmou alto funcionário da Casa Branca.

    Os Estados Unidos informaram ao governo chinês que "não deixarão a Austrália sozinha no campo de batalha", se referindo à guerra comercial que Pequim mantém com Camberra, disse Kurt Campbell, coordenador do Conselho de Segurança Nacional para o Indo-Pacífico dos EUA em entrevista ao The Sydney Morning Herald.

    "Simplesmente não vai acontecer", afirmou Campbell.

    "Deixamos claro que os EUA não estão preparados para melhorar as relações [com a China] em um contexto bilateral e separado, enquanto que um aliado próximo e querido está sendo submetido a uma forma de coerção econômica", disse o coordenador.

    Campbell também declarou que seu país é plenamente consciente do que está acontecendo entre a Austrália e a China.

    O assunto teria sido mencionado em todas as reuniões com autoridades chinesas, e também será discutido novamente no final desta semana em Anchorage, no Alasca, quando os secretários de Estado e Defesa dos EUA se reunirão com seus homólogos chineses na primeira grande reunião presencial entre a administração Biden e Pequim, segundo Campbell.

    A Austrália não é o único país que se encontra nessas circunstâncias em relação à China. Segundo o coordenador, Filipinas, Vietnã, Taiwan, Japão e outros países também estão na mesma situação.

    "Acredito que há outros passos que as autoridades da área econômica vão explorar", adicionou Campbell. "Esta é uma preocupação comum e acho que vale a pena continuar o diálogo."

    A China é o principal parceiro comercial da Austrália. As tensões comerciais entre os países se agravaram depois que Camberra solicitou uma investigação global para esclarecer as origens da COVID-19.

    Em maio, a China impôs direitos aduaneiros de 80% sobre a cevada australiana por cinco anos, após acusações de dumping em detrimento da indústria nacional. Em novembro de 2020, entraram em vigor direitos antidumping provisórios sobre o vinho importado da Austrália.

    Mais:

    EUA precisam agir para poder competir com China no espaço, diz mídia
    Chancelarias de EUA e França trocam impressões sobre China, Irã e Rússia
    Corte nos EUA remove proibição de investimento na Xiaomi
    Relatório: EUA realizaram no mar do Sul da China manobras 'muito orientadas para o combate' em 2020
    Tags:
    EUA, China, Austrália, Casa Branca, comércio, relações
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar