23:32 07 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    Pandemia de COVID-19 no mundo em meados de março de 2021 (83)
    3112
    Nos siga no

    A vice-presidente venezuelana, Delcy Rodriguez, declarou nesta segunda-feira (15) que a Venezuela não aprovará a vacina da AstraZeneca, desenvolvida com a Universidade de Oxford, contra a COVID-19 por conta de complicações que têm sido associadas ao medicamento.

    "A Venezuela não dará permissão para a vacina AstraZeneca devido às complicações que foram identificadas com esta vacina", disse a vice-presidente, citada pela NTN24.

    Na semana passada, a Agência Europeia de Medicamentos (EMA) anunciou que está investigando incidentes de pacientes vacinados com o mesmo lote da vacina AstraZeneca em vários países da UE e que relataram complicações tromboembólicas após a aplicação do imunizante.

    A Organização Mundial da Saúde (OMS), por sua vez, recomendou que os países continuem usando a vacina.

    Frascos da vacina AstraZeneca e seringa em frente do logotipo da AstraZeneca em 10 de março de 2021
    © REUTERS / Dado Ruvic
    Frascos da vacina AstraZeneca e seringa em frente do logotipo da AstraZeneca em 10 de março de 2021

    Vários países da UE, incluindo Áustria, Estônia, Lituânia, Letônia, Luxemburgo, Dinamarca, Bulgária, Noruega, Islândia, Eslovênia, Chipre, Itália, França, Alemanha e Espanha, suspenderam o uso desta vacina, que foi autorizada pelo regulador europeu de medicamentos EMA para aplicação na União Europeia.

    A farmacêutica Astrazeneca, por sua vez, declarou no último domingo (14) que fez uma revisão de pessoas imunizadas com a medicação abrangendo mais de 17 milhões de vacinados, e que a análise não apresentou nenhuma evidência no aumento do risco de coágulos sanguíneos.

    Tema:
    Pandemia de COVID-19 no mundo em meados de março de 2021 (83)

    Mais:

    Fiocruz promete entregar mais de 1 milhão de doses da vacina contra a COVID-19 até sexta-feira
    COVAX: Angola e Nigéria recebem milhões de doses da vacina de Oxford/AstraZeneca
    Anvisa aprova medicamento Remdesivir contra a COVID-19 e o uso definitivo da vacina de Oxford
    Brasil bate novo recorde na média móvel de mortes por COVID-19
    Tags:
    Delcy Rodriguez, pandemia, Universidade de Oxford, Oxford, Venezuela, vacina, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar