20:12 26 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    070
    Nos siga no

    Jeanine Áñez, presidente interina boliviana entre o fim de 2019 e o fim de 2020, é acusada de participar de golpe de Estado contra Evo Morales, então líder da Bolívia.

    Regina Santa Cruz, nona juíza de Investigação Criminal de La Paz, ordenou no domingo (14) quatro meses de prisão preventiva para a ex-presidente interina da Bolívia, Jeanine Áñez. O Ministério Público havia pedido uma pena de seis meses.

    Com os ex-ministros Álvaro Coímbra e Rodrigo Guzmán, Áñez foi acusada de sedição, conspiração e terrorismo.

    Após ouvir a sentença, a ex-presidente interina escreveu em sua conta no Twitter que ela estava sendo enviada para a prisão "para aguardar julgamento por um 'golpe' que nunca aconteceu".

    Como denunciamos, o [partido em poder] MAS decide e o sistema judicial obedece: eles me mandam para a cadeia por quatro meses para aguardar julgamento por um "golpe" que nunca aconteceu. Daqui eu convido a Bolívia a ter fé e esperança. Um dia, entre todos nós, criaremos uma Bolívia melhor.

    Coímbra e Guzmán receberam a mesma sentença após a audiência, que durou nove horas.

    Áñez foi presa como parte de uma investigação sobre os eventos de 2019 na Bolívia, nos quais o então presidente, Evo Morales, foi forçado a renunciar, depois de enfrentar manifestações em massa por alegações de fraude eleitoral. A acusação agora considera os eventos de 2019 um golpe de Estado.

    Mais:

    Promotores bolivianos querem 6 meses de prisão preventiva para ex-presidente interina Jeanine Áñez
    Greve de médicos na Bolívia: presidente denuncia caráter 'político' do movimento
    Evo Morales alfineta Biden e diz que ele terá 'desafio histórico' de reverter políticas de Trump
    Tags:
    Bolívia, Ministério Público
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar