18:21 23 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    Pandemia de COVID-19 no mundo em meados de março de 2021 (83)
    126
    Nos siga no

    A aguardar resultados de testes, milhões de doses da AstraZeneca estão paradas nos EUA correndo risco de ficarem inutilizáveis, enquanto os mais de 70 países que já a autorizaram para uso imploram para tê-las.

    Dezenas de milhões de doses da vacina contra o coronavírus fabricada pela empresa sueco-britânica AstraZeneca estão paradas em fábricas americanas, aguardando os resultados de seu ensaio clínico nos EUA enquanto os países que autorizaram seu uso imploram por acesso.

    O destino dessas doses do imunizante da AstraZeneca é assunto de intenso debate entre a Casa Branca e funcionários federais de saúde, com alguns argumentando que o governo deveria deixá-las ir para o exterior, onde são desesperadamente necessárias, enquanto outros não estão prontos para abandoná-las, de acordo com funcionários sêniores da administração Biden.

    "Entendemos que outros governos podem ter entrado em contato com o governo dos EUA sobre a doação de doses da AstraZeneca e pedimos ao governo dos EUA que considerasse cuidadosamente essas solicitações", disse Gonzalo Viña, porta-voz da AstraZeneca.

    Cerca de 30 milhões de doses estão atualmente engarrafadas nas instalações da AstraZeneca em West Chester, Ohio, que lida com "acabamento de preenchimento", a fase final do processo de fabricação durante a qual a vacina é colocada em frascos, disse um funcionário com conhecimento do estoque ao The New York Times.

    A Emergent BioSolutions, uma empresa em Maryland que a AstraZeneca contratou para fabricar sua vacina em solo norte-americano, também produziu imunizante contra o novo coronavírus suficiente para dezenas de milhões de doses a mais, uma vez que é colocada em frascos e embalada, disse o oficial.

    Já autorizada em mais de 70 países, ensaios clínicos da AstraZeneca nos EUA ainda não relataram resultados, e a empresa não solicitou autorização para uso emergencial à Administração de Alimentos e Medicamentos (FDA, na sigla em inglês), órgão que regula o uso de vacinas e medicamentos nos Estados Unidos. A AstraZeneca pediu ao governo Biden que a deixasse emprestar doses americanas para a União Europeia, onde ficou aquém de seus compromissos originais de abastecimento e onde a campanha de vacinação tropeçou gravemente.

    O governo, por enquanto, negou o pedido. Algumas autoridades federais pressionaram a Casa Branca a tomar uma decisão nas próximas semanas. Autoridades discutiram o envio de doses para o Brasil, que está sendo duramente atingido pelo agravamento da crise do coronavírus, ou para a União Europeia ou para o Reino Unido.

    "Se essas ações de doação prosseguissem, buscaríamos orientação do governo dos EUA sobre a substituição de doses para uso nos EUA", disse Viña.

    A hesitação do governo está aparentemente relacionada às incertezas com o fornecimento da vacina ante a fala do presidente Biden no final de maio ao prometer doses de vacina suficientes para cobrir todos os adultos nos Estados Unidos. A produção de vacinas é notoriamente complexa e delicada, e problemas como o crescimento de fungos e mofo podem afetar a qualidade.

    Tema:
    Pandemia de COVID-19 no mundo em meados de março de 2021 (83)

    Mais:

    ONU lança campanha para promover igualdade de acesso às vacinas contra a COVID-19
    União Europeia libera comercialização da vacina da Johnson & Johnson contra a COVID-19
    Vacina da Novavax tem 96,4% de eficácia contra o novo coronavírus
    'Catástrofe' fez Anvisa liberar importação de vacinas sem registro, diz especialista
    Tags:
    vacina, COVID-19, novo coronavírus, EUA, Food and Drugs Administration (FDA)
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar