06:55 23 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    1111
    Nos siga no

    O chanceler venezuelano, Jorge Arreaza, qualificou como atrocidades as violações dos direitos humanos na Colômbia, após um bombardeio do Exército Nacional colombiano que culminou na morte de várias crianças.

    Nesta quinta-feira (11), o ministro das Relações Exteriores da Venezuela compartilhou em seu Twitter a publicação de uma jornalista colombiana na qual ela critica o ministro da Defesa da Colômbia, Diego Molano, por descrever como "máquinas de guerra" um grupo de pré-adolescentes assassinados por militares do país no início do mês. 

    ​Não cansaremos de insistir. As violações de direitos humanos, a violência do Estado e em geral, assassinatos e perseguições a líderes sociais na Colômbia são atrozes. Voltam a bombardear e assassinar crianças. E a "comunidade internacional" elogia Iván Duque [presidente colombiano].

    No último dia 2, o Exército Nacional colombiano realizou uma operação em Calamar, povoado do departamento de Guaviare, na zona amazônica do país. O governo do presidente Iván Duque comemorou a eliminação de vários membros da dissidência das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) liderada pelo gerrilheiro Gentil Duarte, pseudônimo de Miguel Botache Santillana. Mais tarde, no entanto, segundo a imprensa do país, foi determinado que todas as 12 vítimas fatais eram menores de idade, incluindo crianças de nove e dez anos.

    Em declarações à mídia colombiana na última quarta-feira (10), o ministro da Defesa, Diego Molano, disse que os jovens mortos eram máquinas de guerra e que foi legítima a ação das Forças Armadas.

    Mais:

    'Colômbia é um verdadeiro narcoestado': Maduro critica política antidrogas de Iván Duque
    Enfrentamentos entre grupos armados deixam 11 mortos na Colômbia
    Maduro avisa Forças Armadas para que fiquem atentas às ameaças da Colômbia
    Tags:
    Colômbia, Venezuela, Iván Duque, Jorge Arreaza, crianças, bombardeio, ataque, FARC, direitos humanos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar