10:39 29 Julho 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    687
    Nos siga no

    A carta bipartidária é um raro momento de unidade em enfrentamento de um desafio da política externa norte-americana. O desafio agora é entrar em consenso sobre como atingir o objetivo.

    Membros dos Partidos Republicano e Democrata dos EUA, englobando 140 legisladores, 70 de cada partido, pediram ao governo Biden através de uma carta, na terça-feira (9), que o presidente buscasse um acordo "abrangente" com o Irã para abordar não apenas seu programa nuclear, mas uma série de outras questões de segurança nacional, de acordo com uma carta compartilhada ao vivo no canal ABC News.

    Em um momento político de divisão, entre os desafios de política externa mais sensíveis e carregados, este foi considerado um raro exemplo de bipartidarismo, já que o governo pressiona por negociações com o Irã e outras potências mundiais que podem envolver táticas mais controversas.

    "Apesar de tudo o que você vê, há bipartidarismo acontecendo em Washington, mesmo sobre algo tão contencioso como o acordo com o Irã", disse o deputado Mike Waltz, republicano da Flórida, que ajudou a encabeçar a carta.

    Sob o acordo nuclear da era Obama, o Irã concordou com as restrições ao seu programa nuclear e inspeções internacionais em troca do alívio das sanções econômicas dos EUA e de outros signatários – França, Alemanha, Reino Unido, China e Rússia.

    O ex-presidente Donald Trump retirou os EUA do acordo e impôs novamente as sanções americanas sob uma campanha de "pressão máxima", com o Irã seguindo o exemplo um ano depois e desafiando as restrições nucleares. Já o atual presidente Joe Biden disse que Estados Unidos voltarão ao acordo quando o Irã retornar a cumprir as normas do tratado.

    Presidente dos EUA, Joe Biden, durante reunião com líderes democratas na Casa Branca, Washington, EUA, 5 de fevereiro de 2021
    © REUTERS / Kevin Lamarque
    Presidente dos EUA, Joe Biden, durante reunião com líderes democratas na Casa Branca, Washington, EUA, 5 de fevereiro de 2021

    A carta, enviada ao secretário de Estado Antony Blinken, contém alguns pontos comuns com a proposta de Biden, e pede acordos que restabeleçam os limites do programa nuclear do Irã, reduzindo seu programa de mísseis balísticos e resolvendo seu "comportamento maligno em todo o Oriente Médio".

    "Estamos encorajando o governo a analisar como unir democratas e republicanos em torno de uma questão que deve nos unificar e que trata do risco representado pelo Irã", disse o deputado Anthony Brown, que ajudou a organizar assinaturas democráticas.

    "Não é um jogo de números, mas o que esta carta representa é uma abordagem bipartidária", disse Brown. "Esta carta oferece uma oportunidade real para o governo ver que há um número significativo de membros que apoiaria uma abordagem bipartidária equilibrada."

    Ainda assim, o escopo completo do que seria uma "abordagem equilibrada" não está claro, incluindo o enriquecimento limitado permitido pelo acordo nuclear original. O que está claro é que também há pouco consenso sobre como atingir esse objetivo final.

    Biden disse que não haverá alívio das sanções até que o Irã volte ao cumprimento, mas sem o alívio das sanções, os EUA não estariam voltando ao cumprimento - tornando difícil ver como o acordo pode sobreviver.

    Mais:

    Democratas podem perder maioria na Câmara porque não conseguiram condenar Trump, diz ex-senador
    Projeto democrata de reforma eleitoral dos EUA é aprovado na Câmara dos Representantes
    Trump teria se recusado a dissuadir manifestantes no Capitólio em conversa com líder republicano
    Nord Stream 2: republicanos na Câmara exigem que Blinken aplique mais sanções 'obrigatórias'
    Tags:
    bipartidarismo, carta, sanções, nuclear, política externa, Irã, EUA, Democratas, Republicanos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar