08:12 18 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    Pandemia de COVID-19 no mundo no início de março de 2021 (94)
    6551
    Nos siga no

    Pessoas nunca antes infectadas com o coronavírus adquiriram anticorpos com duas doses, mas para pacientes previamente infectados bastou uma dose, segundo pesquisa no país sul-americano.

    Todos os pacientes com COVID-19 que receberam duas doses da vacina Sputnik V desenvolveram anticorpos específicos, relatou o Conselho Nacional de Pesquisas Científicas e Técnicas (CONICET) da Argentina, que monitorou o processo.

    Além disso, "pessoas anteriormente expostas ao vírus, que demonstraram ter anticorpos antes do início da vacinação, geram uma resposta imunológica humoral rápida quando recebem uma dose da vacina Sputnik V", disse Andrea Gamarnik, pesquisadora sênior do CONICET.

    Ela acrescentou que os níveis de anticorpos detectados nelas têm sido "inclusive mais altos do que os produzidos por pessoas não infectadas que receberam duas doses da vacina" em cerca de oito vezes.

    "[...] Vale a pena revisar o cronograma de vacinação para aqueles indivíduos que foram previamente infectados com este vírus", uma vez que estas pessoas "podem não requerer a segunda dose", destacaram as autoridades sanitárias da Argentina.

    A Sputnik V foi a primeira vacina contra COVID-19 a ser registrada no mundo, em agosto de 2020, e foi desenvolvida pelo Centro Nacional de Pesquisa de Epidemiologia e Microbiologia Gamaleya em parceria com o Fundo Russo de Investimentos Diretos (RFPI, na sigla em russo).

    Tema:
    Pandemia de COVID-19 no mundo no início de março de 2021 (94)

    Mais:

    Começam testes clínicos da combinação das vacinas contra COVID-19 Sputnik V e AstraZeneca
    Vacinação começa amanhã na Venezuela com Sputnik V, anuncia Maduro
    Alemanha considera possibilidade de usar vacina russa Sputnik V
    Laboratório envia pedido de autorização para testes da Sputnik V à Anvisa
    Tags:
    Sputnik V, Argentina, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar