21:07 14 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    0 115
    Nos siga no

    O governo da Guiana condenou o sobrevoo de zona disputada por aeronaves militares de Venezuela, considerando-o uma "violação de seu espaço aéreo".

    Duas aeronaves de combate do Exército venezuelano sobrevoaram a zona de Eteringbang, que é disputada por ambos os países, passando por instalações policiais e perto de pista de aterrissagem do setor a uma altitude muito baixa.

    Funcionários do Ministério das Relações Exteriores da Guiana confirmaram nesta quarta-feira (3) o início de uma investigação do incidente que ocorreu na tarde desta terça (2) em Eteringbang, uma zona de mineração perto da fronteira com a Venezuela e onde se localiza um campo de aviação militar.

    "O Ministério das Relações Exteriores da República Cooperativa da Guiana deseja informar que na terça-feira 2 de março de 2021, aproximadamente às 13h20, dois aviões de combate Sukhoi Su-30 do Exército venezuelano sobrevoaram a comunidade de Eteringbang e a pista de aterrissagem a uma altitude muito baixa de 1.500 pés. Os aviões de combate contornaram o lugar uma vez antes de seguirem na direção leste", disse o governo em comunicado, citado pelo site Infobae.

    O relatório policial aponta que dois aviões de combate venezuelanos entraram no espaço aéreo da zona em disputa, entre a Guiana e Venezuela, quando sobrevoaram a delegacia policial de Eteringbang e a base da Força de Defesa da Guiana antes de voltar ao território de seu país.

    "O governo da Guiana condena este último ato de agressão das Forças Armadas venezuelanas como uma violação da soberania da Guiana", diz o comunicado.

    Mais:

    Exercícios militares dos EUA com Guiana mostram agressão contra Venezuela, segundo congressista
    Após interceptar navios, Venezuela acusa Guiana de 'tentar fabricar um conflito na região'
    Terremoto na Guiana é sentido por habitantes do Norte do Brasil
    Tags:
    Sukhoi Su-30 MK2, Exército da Venezuela, Venezuela, Guiana
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar