06:33 12 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    13183
    Nos siga no

    O secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, declarou nesta quarta-feira (3) que os EUA não promoverão democracia através de intervenções militares e mudanças de regime.

    Em seu discurso de apresentação da política externa norte-americana, ele afirmou que os Estados Unidos tratarão a China como adversária e competidora quando for necessário e buscarão cooperação quando possível. 

    "Alguns países representam sérios desafios para nós, incluindo Rússia, Irã e a China, mas o desafio da China é diferente", disse Blinken.

    ​Segundo ele, a China é o principal problema dos Estados Unidos e deve ser abordado com força.

    "A China é a única capaz de desafiar seriamente um sistema internacional aberto e estável. Nosso relacionamento com a China será competitivo quando apropriado, cooperativo quando possível e competitivo quando necessário", disse Blinken.

    O secretário de Estado observou que a política externa norte-americana vai incentivar o comportamento democrático, mas sem promover a democracia "por meio de intervenções militares caras ou tentando derrubar os regimes autoritários pela força".

    "Nós tentamos essas táticas no passado. Seja qual for a nossa intenção, elas não funcionaram. Elas deram uma má fama à promoção da democracia e perderam a confiança do povo americano. Faremos as coisas de maneira diferente", completou. 

    Mais:

    Kremlin: novas sanções dos EUA e UE contra Rússia pioram ainda mais as relações já ruins
    Novas sanções: EUA proíbem exportações de defesa para Rússia, mas fazem exceções no setor espacial
    Biden é criticado nos EUA por impor sanções às pessoas 'erradas' na Rússia e na Arábia Saudita
    Rússia conservadora mede forças com EUA revisionistas na arena internacional, diz especialista
    Tags:
    Rússia, China, Departamento de Estado, Antony Blinken, intervenção militar, intervenção, democracia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar