13:37 11 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    160
    Nos siga no

    O presidente do México informou que acertou com a Odebrecht a substituição de um contrato de fornecimento de gás natural que deu à estatal Petróleos Mexicanos (Pemex) um prejuízo de US$ 667 milhões (R$ 3,824 bilhões).

    "Chegou-se a um acordo com a renomada empresa Odebrecht e seus sócios, empresa que é famosa por subornar em vários países e levar presidentes e altos funcionários à prisão por esse procedimento", anunciaram em coletiva de imprensa o presidente André Manuel López Obrador e funcionários do mais alto escalão da empresa.

    O governo López Obrador considerou que o contrato original do projeto, a cargo da Braskem-Idesa, subsidiária petroquímica de uma empresa brasileira, era "leonino" (cujos lucros beneficiam apenas um dos sócios, mas os prejuízos afetam a todos).

    O presidente disse que essa renegociação faz parte da revisão de contratos firmados por gestões anteriores.

    Logo da Odebrecht em obras em Caracas, Venezuela
    © REUTERS / Carlos Garcia Rawlins
    Logo da Odebrecht em obras em Caracas, Venezuela
    "Consideramos os contratos firmados para que pessoas físicas nacionais e estrangeiras façam bons negócios, sob a proteção do poder público, à custa do Orçamento, que é o dinheiro do povo; eles roubaram todos os mexicanos”, continuou López Obrador.

    A Odebrecht concordou em renegociar contratos firmados com subsidiárias da estatal petrolífera para fornecimento de gás etano.

    "No caso do México, esta empresa também deu propina, faz parte das investigações que faz o Ministério Público, e nosso propósito tem sido não permitir a corrupção, não permitir a impunidade e recuperar tudo o que for possível. O governo do país evitou apelar aos tribunais internacionais por aquele contrato firmado em 2010, porque não sabemos se esses tribunais internacionais atuam com retidão", explicou o presidente mexicano.

    López Obrador destacou que "felizmente este acordo foi fechado, é conveniente para eles, tenho certeza de que continuarão operando com lucros razoáveis”.

    Mais:

    Empresa mais citada na Lava Jato, Odebrecht anuncia mudança de nome: Novonor
    Segurança digital engatinha no Brasil e soberania de dados está em risco, diz especialista
    México e Argentina assinam roteiro para reativar mecanismos de parceria estratégica
    Tags:
    contrato, gás, Odebrecht, Brasil, México
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar