02:48 03 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    329
    Nos siga no

    Em conferência de imprensa, Estados Unidos dizem que têm a intenção de "recalibrar" sua relação com a Arábia Saudita, mas que valores da "América" devem estar em primeiro lugar.

    Em conferência de imprensa nesta segunda-feira (1º) divulgada no site da Casa Branca, o porta-voz do Departamento de Estado, Ned Price, afirmou que Washington quer avançar para uma agenda mais ampla em seu relacionamento com Riad, incluindo a mediação de um acordo de paz entre o reino saudita e Israel, mas que só poderá realizar tais ações se a Arábia Saudita melhorar seu histórico de direitos humanos.

    "Buscamos uma parceria que reflita nosso importante trabalho conjunto e nossos interesses e prioridades comuns, mas também uma parceria conduzida com maior transparência, responsabilidade e de acordo com os valores da América. Ao restabelecer as expectativas dos Estados Unidos para nosso relacionamento com a Arábia Saudita, nossa intenção é tornar essa parceria - que já tem cerca de 80 anos - ainda mais sustentável daqui para frente", disse o porta-voz do Departamento de Estado.

    Embora o governo de Joe Biden tenha falado sobre sua intenção de conciliar mais países nas relações com Israel, esta é a primeira vez que a Arábia Saudita é mencionada nesse contexto.

    "[Queremos] usar nossa liderança para forjar laços em toda a divisão mais amarga da região, seja encontrando o caminho de volta com o Irã para um diálogo regional significativo, ou forjando uma paz histórica com Israel [...]", disse Price na conferência.

    Jerusalém não tem relações diplomáticas com a Arábia Saudita, mas manteve laços clandestinos de longa data que se fortaleceram nos últimos anos, quando os dois países enfrentaram uma ameaça comum no Irã, segundo o The Times of Israel.

    Fontes do Estado israelense disseram que o ex-secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, e o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, se reuniram com príncipe saudita Mohammed bin Salman na cidade de Neom, no mar Vermelho, em novembro de 2020. A reunião, negada por Riad, alimentou especulações sobre um acordo de normalização entre Israel e Arábia Saudita, segundo a mídia.

    O porta-voz do Departamento de Estado também destacou que existem outras questões entre os EUA e a Arábia Saudita, incluindo a ofensiva militar saudita no Iêmen e um tratamento mais amplo dos direitos humanos por Riad. Esses assuntos teriam forte impacto sobre sua futura relação com o reino saudita.

    "Olhando para o futuro, as ações sauditas determinarão o quanto dessa ambiciosa agenda positiva compartilhada podemos alcançar. Estamos trabalhando para colocar o relacionamento no caminho certo [...], ao mesmo tempo em que abordamos as graves preocupações que o presidente e nossa equipe compartilham com o Congresso e muitos norte-americanos", disse Price citado pela publicação da Casa Branca.

    Na sexta-feira (26), o governo Biden desclassificou um relatório de inteligência que acusa o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, de ter ordenado o assassinato do jornalista Jamal Khashoggi na Turquia em 2018, e decidiu não penalizar o príncipe saudita.

    Mais:

    Projétil militar lançado por houthis cai na Arábia Saudita e fere 5 civis, segundo SPA
    'Não apoiar atividades ofensivas': EUA anunciam nova abordagem de venda de armas à Arábia Saudita
    Arábia Saudita está negociando com Rússia compra de sistemas S-400 e caças Su-35
    Tags:
    Arábia Saudita, israel, Riad, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar