05:13 11 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    6512
    Nos siga no

    O governo do presidente norte-americano Joe Biden, em relatório enviado ao Congresso nesta segunda-feira (1º), disse que usará todas as ferramentas disponíveis para combater um amplo espectro de práticas comerciais desleais cometidas pela China.

    A declaração foi publicada em um relatório divulgado pela Representação de Comércio dos Estados Unidos que aponta a agenda política comercial norte-americana para este ano e faz um balanço sobre o ano anterior.

    "O governo Biden está empenhado em usar todas as ferramentas disponíveis para enfrentar a variedade de práticas comerciais desleais da China que continuam a prejudicar os trabalhadores e empresas dos EUA", aponta o documento.

    Essas ações de combate, ainda de acordo com o relatório, incluem barreiras tarifárias e não tarifárias que restrinjam o acesso ao mercado de produtos oriundos de trabalho forçado e subsídios às exportações, entre outros. Os EUA também acusam a China de transferências coercitivas de tecnologia, violação de propriedade intelectual, censura e tratamento injusto de empresas norte-americanas em diversos setores.

    Ainda conforme o documento, o governo Biden fará dos direitos humanos dos uigures uma prioridade máxima e prometeu trabalhar em estreita colaboração com os aliados dos EUA para resolver tais questões.

    Joe Biden, vice-presidente dos EUA, e Xi Jinping, presidente da China, e sua esposa Peng Liyuan, durante a cerimônia de chegada à Base Aérea de Andrews, Maryland, EUA, 24 de setembro de 2015
    © AP Photo / Carolyn Kaster
    Joe Biden, vice-presidente dos EUA, e Xi Jinping, presidente da China, e sua esposa Peng Liyuan, durante a cerimônia de chegada à Base Aérea de Andrews, Maryland, EUA, 24 de setembro de 2015

    A tensão entre os dois países tem crescido ao longo dos últimos anos, conforme a China amplia sua capacidade comercial e tecnológica. Ao longo do governo do ex-presidente Trump, a relação bilateral se deteriorou de forma significativa. Trump ergueu barreiras tarifárias contra a China e durante o período da pandemia da COVID-19 responsabilizou publicamente o governo chinês pela disseminação do vírus. O governo Biden tem sinalizado que manterá a pressão contra o país asiático.

    As autoridades chinesas negaram em diversas ocasiões as alegações dos EUA de práticas comerciais injustas e abusos dos direitos humanos, além de contestarem veementemente as acusações vocalizadas pelo ex-presidente Trump relacionadas à COVID-19.

    Mais:

    Biden e Trudeau concordam em combater influência da China e modernizar o NORAD
    Casa 'bagunçada': ex-diplomata revela o que falta para EUA terem sucesso em confronto com China
    China realiza exercícios de fogo real no mar do Sul da China, enviando sinal aos EUA
    EUA, e não a China, devem 'dominar o futuro do mundo', declara Trump em discurso oficial
    Tags:
    COVID-19, Donald Trump, Joe Biden, China, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar