19:41 12 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    0 12
    Nos siga no

    Mais de 400 detentos seguem foragidos nesta sexta-feira (26), após escaparem ontem (25) de um presídio no Haiti durante rebelião que terminou com 25 mortos, entre eles o diretor do centro correcional.

    Segundo a agência de notícias France-Presse, seus fotógrafos avistaram na quinta-feira (25) pelo menos três corpos do lado de fora da prisão de segurança máxima e alguns presos recapturados, que estavam sob vigilância armada na caçamba de uma caminhonete.

    De acordo com o secretário de Comunicação do Haiti, Frantz Exantus, "25 pessoas morreram, incluindo seis detentos e o inspetor de divisão Paul Hector Joseph, que era responsável pela prisão" onde ocorreu a rebelião de quinta-feira (25), situada na periferia da capital Porto Príncipe.

    "Entre os mortos estão cidadãos comuns que foram assassinados pelos prisioneiros durante a fuga", ressaltou Exantus durante uma coletiva de imprensa, na qual acrescentou que 1.125 dos 1.542 dos internos do centro de custódia Croix-des-Bouquets estavam em suas celas na manhã desta sexta-feira (26).

    Policiais do Haiti fazem buscas nos arredores de presídio após fuga de centenas de detentos em Porto Príncipe
    © AP Photo / Dieu Nalio Chery
    Policiais do Haiti fazem buscas nos arredores de presídio após fuga de centenas de detentos em Porto Príncipe

    Um dos detentos mortos é o líder de gangue Arnel Joseph, que foi abatido hoje (26) em um posto de controle da polícia a cerca de 120 quilômetros de distância da prisão.

    "Arnel Joseph foi morto ao tentar atacar uma patrulha policial que parou a motocicleta em que ele trafegava. A polícia respondeu e Arnel Joseph está morto", disse Exantus, citado pela AFP.

    Joseph, que era apontado como o chefe de uma das principais redes do crime organizado no Haiti, foi capturado em 2019 e já tinha tentado fugir da prisão em julho do ano passado, após divulgar seu plano em um vídeo que circulou nas redes sociais dias antes da tentativa.

    Enquanto cumpria pena por assassinato, Joseph chegou a fugir duas vezes da prisão em Porto Príncipe, nos anos de 2010 e 2017.

    O complexo penitenciário de Croix-des-Bouquets foi inaugurado em 2012 e construído com financiamento do Canadá. O recinto tem capacidade máxima para 872 internos, mas abrigava quase o dobro desse número até o momento da fuga de ontem (25).

    Mais:

    Autoridades do Haiti afirmam ter frustrado golpe para derrubar presidente Moïse
    Brasil pretende doar 1 milhão de testes de COVID-19 quase vencidos ao Haiti
    Protestos no Haiti: entenda a luta política no país e o que os EUA têm a ver com isso
    Tags:
    Polícia, fuga, presídios de segurança máxima, rebelião, Haiti
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar