00:05 17 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    491
    Nos siga no

    O lançamento do documento marcaria um novo capítulo na relação EUA-Arábia Saudita, e demonstraria um rompimento com a dinâmica amigável que Donald Trump empreendeu com Riad durante seu governo.

    Nesta quinta-feira (25), o governo dos Estados Unidos divulgará o relatório de inteligência que conclui que o príncipe saudita Mohammed bin Salman aprovou o assassinato do jornalista Jamal Khashoggi em 2018, segundo a NBC News.

    Na quarta-feira (24), a secretária de Imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, disse aos repórteres que o presidente Joe Biden se comunicaria com o rei saudita, e não com seu filho, o príncipe herdeiro, sobre o relatório. A secretária confirmou que o documento estava sendo preparado para divulgação em breve. Também na quarta-feira (24), à noite, Biden confirmou aos repórteres que havia lido a reportagem, segundo a mídia.

    A avaliação do relatório, baseada em grande parte no trabalho da CIA, não é nova, e já se tinha conhecimento sobre o documento em 2018. Porém, seu lançamento público, marcará um novo capítulo significativo na relação EUA-Arábia Saudita, e uma clara ruptura do presidente Joe Biden com a política do ex-presidente Donald Trump que traçou forte aliança com Riad durante seu mandato, de acordo com a mídia.

    Jamal Khashoggi tinha 59, era saudita e trabalhava como colunista do Washington Post quando foi atraído para o consulado saudita em Istambul, na Turquia, em 2 de outubro de 2018, e morto por uma equipe de agentes de inteligência saudita. Equipe essa que teria laços estreitos com o príncipe herdeiro. Seu corpo foi parcialmente desmembrado e os restos mortais nunca foram encontrados.

    Depois de negar o assassinato, o governo saudita mudou de curso, e afirmou que Khashoggi foi morto por acidente enquanto a equipe tentava extraditá-lo à força. Os sauditas dizem que o time agiu sozinho e que o príncipe herdeiro não estava envolvido. Oito homens foram condenados em um julgamento que os observadores internacionais chamaram de farsa, cinco receberam a pena de morte. Suas sentenças foram comutadas para 20 anos depois de terem sido supostamente perdoados pelos parentes de Khashoggi.

    A CIA apresentou sua avaliação à Casa Branca em 2018, mas ela não pareceu mudar as relações amigáveis ​​entre Trump e Riad, principalmente com príncipe Mohammed bin Salman.

    Presidente norte-americano Donald Trump fala com príncipe saudita Mohammed bin Salman durante cimeira dos líderes do G20 em Osaka, Japão (foto de arquivo)
    © REUTERS / Kevin Lamarque
    Presidente norte-americano Donald Trump fala com príncipe saudita Mohammed bin Salman durante cimeira dos líderes do G20 em Osaka, Japão (foto de arquivo)

    Esse ano, a nova administração de Joe Biden, encerrou o apoio americano à guerra da Arábia Saudita no Iêmen, e, segundo a secretária de Imprensa, "a intenção do presidente, como é a intenção deste governo, é recalibrar nosso compromisso com a Arábia Saudita", disse Psaki citada pela mídia.

    Mais:

    Pompeo: mais penalidades contra Arábia Saudita pelo assassinato de Khashoggi são possíveis
    Autoridades sauditas planejaram e executaram o assassinato de Khashoggi, diz ONU
    Agência de Hollywood devolve US$ 400 milhões à Riad após assassinato de Khashoggi
    Tags:
    assassinato de Jamal Khashoggi, Arábia Saudita, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar