14:04 02 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    221041
    Nos siga no

    Nesta quarta-feira (24), William Burns, o indicado do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, para o cargo de diretor da CIA, disse que subestimar a Rússia é sempre um erro e acusou a China de roubar propriedade intelectual.

    Burns deu a declaração ao Comitê de Inteligência do Senado dos EUA durante sua sabatina de confirmação para o cargo de diretor da CIA, realizada nesta quarta-feira (24).

    "É sempre um erro subestimar a Rússia de [Vladimir] Putin. Embora a Rússia possa ser, em muitos aspectos, uma potência em declínio, pode ser pelo menos tão perturbadora, sob a liderança de Putin, quanto potências em ascensão como a China", disse Burns.

    O ex-diplomata também destacou que os EUA precisam estar cientes de como as ameaças contra Washington podem surgir e enfatizou que responder a essas ameaças com firmeza e consistência é muito importante.

    "Não há substituto para a firmeza e consistência em lidar com a Rússia de Putin e trabalhar o mais próximo possível com nossos aliados e parceiros que compartilham as mesmas preocupações", avaliou Burns.
    Grande coletiva do presidente da Rússia, Vladimir Putin, 17 de dezembro de 2020
    © Sputnik / Mikhail Klimentiev
    Grande coletiva do presidente da Rússia, Vladimir Putin, 17 de dezembro de 2020

    O indicado de Biden também enfatizou que a liderança de Putin estreita as possibilidades da política dos EUA sobre Moscou.

    "A realidade, eu acredito, em termos de política norte-americana de relações EUA-Rússia, é que enquanto Vladimir Putin for o líder da Rússia, estaremos operando com uma curva bastante estreita de possibilidades - desde a extremamente competitiva até a muito perversamente adversária", acrescentou.

    Além da Rússia, Burns também fez comentários sobre a China, classificando o país asiático como "autoritário".

    "Há, no entanto, um número crescente de áreas em que a China de Xi [Jinping, presidente chinês] é um adversário formidável e autoritário - fortalecendo metodicamente suas capacidades de roubar propriedade intelectual, reprimir seu próprio povo, intimidar seus vizinhos, expandir seu alcance global e construir influência sobre a sociedade norte-americana", disse Burns aos senadores.

    Burns serviu como embaixador dos EUA na Rússia entre 2005 e 2008. O ex-diplomata se aposentou do Serviço de Relações Exteriores dos EUA em 2014, após uma carreira diplomática de 33 anos.

    Mais:

    Pentágono declara 'possibilidade real' de guerra nuclear com China ou Rússia
    General americano admite atraso do arsenal nuclear dos EUA se comparado ao de China e Rússia
    Macron teme que África compre vacinas de Rússia e China se EUA e Europa demorarem para agir
    Tags:
    Joe Biden, Rússia, Estados Unidos, Vladimir Putin, CIA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar