12:46 18 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    5181
    Nos siga no

    O governo de Venezuela declarou a chefe da delegação da União Europeia (UE) como "persona non grata" e deu 72 horas para ela deixar o país, disse nesta quarta-feira (24) o chanceler Jorge Arreaza.

    A decisão da Venezuela de expulsar a diplomata portuguesa Isabel Brilhante acontece depois que a UE anunciou no início desta semana sanções contra 19 funcionários do primeiro escalão do governo venezuelano, além de legisladores e integrantes das forças de segurança, em resposta às eleições legislativas de dezembro que, segundo o bloco europeu, foram manipuladas em favor do presidente Nicolás Maduro.

    Por instruções do presidente Nicolás Maduro, se declara a embaixadora da União Europeia em nosso país, Isabel Brilhante Pedrosa, como "persona non grata", que tem 72 horas para deixar a Venezuela, informa o chanceler Jorge Arreaza.

    "Lhe damos um prazo de 72 horas para deixar o território venezuelano e estamos fazendo isso porque as circunstâncias assim o exigem, pois já são 55 decisões disso que chamam na União Europeia ou no sistema norte-americano de sanções" contra funcionários venezuelanos, disse Arreaza.

    Além disso, o chanceler venezuelano reiterou que a União Europeia e os Estados Unidos carecem de autoridade legal e moral para punir os cidadãos de outro país.

    Esta é a segunda vez desde junho de 2020 que a Venezuela expulsa do país a representante do bloco por causa das sanções aplicadas pela UE. Em meados do ano passado, no entanto, Caracas deixou sua decisão sem efeito após contatos sobre a necessidade de manutenção das relações diplomáticas.

    Na Venezuela, "fizemos todos os esforços [...] para estabilizar a convivência democrática no país e, novamente, impõem sanções, entre aspas, contra magistrados, contra o Poder Judiciário, contra o Poder Eleitoral", acrescentou o chanceler, em declaração divulgada pela emissora de televisão estatal VTV.

    "É verdadeiramente inaceitável", disse Arreaza. "Generoso foi o presidente Maduro ao ter permitido que permanecessem na Venezuela os chefes de missão e as missões, inclusive, dos países da União Europeia, quando, em fevereiro de 2019, não o reconhecerem como presidente", acrescentou, ao lembrar que a UE considerou a reeleição de Maduro no ano anterior como uma fraude.

    Mais:

    Venezuela reforça sua presença na costa atlântica em meio à disputa territorial com Guiana
    Maduro afirma que Venezuela derrotou tentativa de invasão dos EUA com falsa ajuda humanitária
    Controladoria-Geral da Venezuela impede Guaidó e outros 27 ex-deputados de exercer cargos públicos
    Tags:
    relações exteriores, diplomacia, União Europeia, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar