22:55 25 Fevereiro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    0 202
    Nos siga no

    Na quarta-feira (17), a Centro Chinês da Câmara dos EUA e a empresa de pesquisa Rhodium Group, com sede em Nova York, emitiram um relatório conjunto, identificando os potenciais custos de uma dissociação entre os EUA e China.

    Conforme o relatório emitido sobre os laços sino-americanos, os EUA e a China estão no caminho para a dissociação econômica, mas os EUA precisariam gerir a situação de forma orientada.

    "Tanto em Washington como em Pequim, a confiança política está no ponto mais baixo, e é difícil de imaginar o retorno à política de engajamento cooperativo que dominou as relações desde 1972 sem mudanças radicais em ambas as capitais", segundo o relatório.

    A avaliação é realizada enquanto a administração do presidente dos EUA, Joe Biden, revê a política norte-americana em relação à China. Biden e seus altos funcionários classificaram Pequim como um rival estratégico, "o competidor mais sério" e "o principal desafio", sugerindo que mantenham uma posição dura, como a da época do ex-presidente, Donald Trump.

    Perspectiva da dissociação

    O relatório avalia que a rivalidade entre os países aumentará, e que Washington precisa elaborar um melhor grau de engajamento econômico com Pequim.

    "A identificação das consequências e dos custos reais da dissociação é urgente, porque já foram dados os primeiros passos nesse sentido", afirma relatório.

    "Os EUA estão debatendo [...] se e como continuar esse caminho. A perspectiva da dissociação entre os dois países nunca foi tão real", diz o documento.

    Citando quedas no comércio, fluxos de investimento, turismo e intercâmbio de estudantes, o relatório afirma que "algum grau de dissociação" entre os dois países já ocorreu, e muitas empresas norte-americanas estavam fazendo mudanças nos preparativos.

    As empresas estrangeiras também perguntam se poderiam se beneficiar da separação ou se seu próprio governo seguiria o exemplo e faria o mesmo.

    "Uma abordagem de dissociação orientada e baseada em fatos será mais apelativa para os aliados dos Estados Unidos, e tem a melhor chance para sucesso a longo prazo", diz o relatório.

    Perdas para os EUA

    O documento ainda afirma que as duas economias estavam entrelaçadas em muitos aspectos, tornando os custos de uma dissociação completa "desconfortavelmente elevados".

    Os pesquisadores estimaram que uma tarifa de 25% em todo o comércio entre os dois países custaria cerca de US$ 190 bilhões (aproximadamente R$ 1 trilhão) a cada ano para a economia norte-americana, além de perdas únicas de até US$ 500 bilhões (cerca de R$ 2,7 trilhões) se as empresas dos EUA reduzissem para metade o investimento estrangeiro direto na China.

    Uma proibição completa de turistas e estudantes chineses nos EUA custaria até US$ 30 bilhões (cerca de R$ 162 bilhões) em perdas anuais.

    Daniel Rosen, um dos principais autores do relatório e chefe de pesquisa sobre China no Rhodium Group, comentou que o engajamento entre os EUA e China sempre dependeu de objetivos econômicos liberais compartilhados, no entanto, como Pequim voltou para um maior planejamento do Estado, "é necessária uma postura menos permissiva".

    Mais:

    China ultrapassa EUA como maior parceiro comercial da União Europeia
    Reino Unido apoia os EUA exigindo maior clareza na investigação sobre a COVID-19 na China
    Biden no G7: China e COVID-19 serão os temas centrais dos EUA no encontro
    China: 'EUA criaram sérios obstáculos à cooperação internacional na luta contra a COVID-19'
    Tanque chinês surge em FOTO como sendo 'alvo principal' do novo sistema antitanque dos EUA
    Tags:
    Joe Biden, relatório, economia, laços, China, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar