22:50 25 Fevereiro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    Pandemia da COVID-19 no mundo em meados de fevereiro de 2021 (110)
    3185
    Nos siga no

    O governo Biden está preocupado com a Rússia e a China tentando fazer progresso diplomático com a distribuição global de suas vacinas desenvolvidas por ambos os países contra o novo coronavírus.

    A preocupação norte-americana foi externada pela secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, nesta sexta-feira (12).

    "Certamente vimos tentativas de outros países, China e Rússia, de usar vacinas como meio de progredir diplomaticamente [...]. Estamos observando essas ações com preocupação", disse Psaki durante uma coletiva de imprensa.

    Psaki disse que o presidente norte-americano Joe Biden está engajado com líderes mundiais afirmando que os EUA retornarão ao cenário mundial e que a Casa Branca está trabalhando para fazer isso por meio de uma série de ações.

    Diversos países têm adquirido vacinas produzidas pela Rússia e pela China. No Brasil, já está em uso uma vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan. Já em produção em fábricas de São Paulo, a CoronaVac está sendo aplicada em todo país.

    Mônica Calazans, enfermeira de 54 anos do Instituto Emílio Ribas, em São Paulo, é a primeira vacinada contra a COVID-19 no Brasil
    Mônica Calazans, enfermeira de 54 anos do Instituto Emílio Ribas, em São Paulo, é a primeira vacinada contra a COVID-19 no Brasil

    Mais de 20 países também já registraram a vacina russa Sputnik V para uso emergencial, inclusive vizinhos do Brasil, como a Argentina, Paraguai e Bolívia. Um recente estudo publicado na revista científica The Lancet, uma das mais importantes do mundo, afirmou que a vacina Sputnik V, desenvolvida pelo Centro Nacional de Pesquisa de Epidemiologia e Microbiologia Gamaleya (Centro Gamaleya), da Rússia, mostrou 91,6% de eficácia, com base em dados de ensaios clínicos de fase 3. 

    A vacina, que é baseada em uma plataforma de vetor adenoviral humano, foi registrada pelo governo russo em 11 de agosto de 2020, sendo assim a primeira vacina contra a COVID-19 registrada no mundo. A eficácia comprovada coloca a Sputnik V entre as vacinas mais bem avaliadas já desenvolvidas contra o novo coronavírus.

    Tema:
    Pandemia da COVID-19 no mundo em meados de fevereiro de 2021 (110)

    Mais:

    Lote de 100 mil doses da Sputnik V chegará na Venezuela na semana que vem, diz Maduro
    Brasil: prefeitos do ABC assinam protocolo de intenção de compra da vacina Sputnik V
    Vacina russa Sputnik V pode ser 'história de sucesso global', escreve The Washington Post
    Tags:
    Sputnik V, Vacina CoronaVac, Brasil, China, Rússia, Joe Biden, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar