23:01 25 Fevereiro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    567
    Nos siga no

    A Casa Branca informou que está considerando as melhores maneiras de contornar as operações de informação chinesa, bem como a interferência do gigante asiático em democracias estrangeiras.

    Os EUA se preocupam bastante com o comportamento "predatório" da China no que diz respeito à tecnologia, conforme afirmou Edward Price, porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, na quinta-feira (11), adicionando que a administração Biden vai se engajar com a China sempre que os interesses dos EUA estiverem em jogo, conta a agência Reuters.

    O porta-voz do Departamento de Estado também informou que a proposta do ex-presidente Trump – na qual as escolas e universidades americanas deveriam divulgar suas parecerias com o Instituto Confúcio – não foi retirada do Registro Federal, contrapondo agentes da mídia estadunidense que afirmaram que a administração Biden teria descartado tal hipótese, segundo o South China Morning Post.

    "Em se tratando do Instituto Confúcio, temos preocupação em relação às atividades do PCC [Partido Comunista chinês] incluídas através deste instituto, que podem afetar a liberdade acadêmica nos EUA", afirmou, citado pela mídia.

    Price afirmou que, em 20 de janeiro, dia em que Joe Biden se tornou oficialmente o novo presidente dos EUA, o chefe de gabinete da Casa Branca, Ron Klain, congelou processos regulatórios, reprovando, assim, todos os documentos que não tivessem sido revisados pelo Escritório de Gestão e Orçamento até essa data, com ressubmissão sendo necessária para que pudessem voltar a ser revisados e aprovados.

    Yang Jiechi (ao centro), membro do Bureau Político do Comitê Central do Partido Comunista Chinês (PCC) e diretor do gabinete da Comissão de Assuntos Externos do Comitê Central do PCC
    © AP Photo / Li Xiang / Xinhua via AP
    Yang Jiechi (ao centro), membro do Bureau Político do Comitê Central do Partido Comunista Chinês (PCC) e diretor do gabinete da Comissão de Assuntos Externos do Comitê Central do PCC

    Intitulada Estabelecendo Requerimento para Escolas Certificadas em Programas de Intercâmbio de Estudantes e Visitantes em Divulgar Acordos com Instituto Confúcio e suas Salas de Aula, a medida foi submetida ao Departamento de Segurança Interna pela administração Trump em 31 de dezembro de 2020. Se tivesse sido aprovada, cerca de 500 escolas dos ensinos primário e secundário e 65 universidades teriam de divulgar suas relações financeiras com o instituto em causa, que é, na verdade, uma organização afiliada ao Ministério da Educação chinês.

    "O Departamento de Estado designou o Centro Americano do Instituto Confúcio como uma missão estrangeira do PCC. Isso se mantém", concluiu Price, itado pela South China Morning Post.

    O instituto em questão respondeu dizendo que discorda da designação atribuída pelo Departamento de Estado norte-americano, adicionando que não teve qualquer influência sobre o funcionamento dos estabelecimentos de ensino estadunidenses.

    No início de fevereiro, o diplomata sênior chinês, Yang Jiechi, disse ter esperança de que a administração Biden viesse a remover barreiras a comunicação e interação entre os dois países.

    Mais:

    Investigando COVID-19: China insta EUA a receberem equipe da OMS no país assim como Pequim autorizou
    EUA e Japão prorrogam acordo sobre tropas e expressam preocupação com 'assertividade' da China
    EUA podem ter vacinas para 300 milhões de pessoas até final de julho, diz Biden
    Tags:
    educação, PCC, Pequim, Washington, DC, China, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar