01:00 07 Março 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    271
    Nos siga no

    Desde a invasão de 6 de janeiro de 2021, autoridades federais dos EUA têm lançado várias acusações a trumpistas, sendo que muitos continuam presos pelo receio de que possam voltar a incitar mais ações contra o governo Biden.

    Na quinta-feira (11), procuradores federais revelaram um documento judicial informando que Jessica Watkins, líder de milícia do estado americano de Ohio, estaria "esperando direção" do ex-presidente Donald Trump dias antes da invasão ao Capitólio.

    O documento, que inclui algumas das ligações mais diretas entre Trump e os invasores, constatou que Watkins é uma "figura central que pôs em movimento a violência que inundou o Capitólio", não sendo de modo algum "um pião auxiliar que foi arrastado no momento".

    Veterana militar, Jessica Watkins é membro integrante do grupo Cumpridores do Juramento, e alegadamente a comandante do grupo não oficializado Milícia Regular do Estado de Ohio, uma organização cujos membros fazem parte de uma parcela do grupo dos Cumpridores do Juramento, relata o documento.

    A polícia segura apoiadores de Trump que tentaram quebrar uma barreira policial, quarta-feira, 6 de janeiro de 2021, no Capitólio dos EUA em Washington.
    © AP Photo / Julio Cortez
    A polícia segura apoiadores de Trump que tentaram quebrar uma barreira policial, quarta-feira, 6 de janeiro de 2021, no Capitólio dos EUA em Washington
    Mensagens de texto obtidas pelos procuradores revelaram que Watkins e outros indivíduos teriam estabelecido sessões de treino para membros e novos recrutas, incluindo dois dias de "jogos de guerra" que fariam parte de um "treino de 'combate' para 'guerra urbana, controle de protestos, e operações de resgate'".

    À medida que o dia da posse de Biden se aproximava, a veterana militar indicou estar "esperando direção" de Trump antes de agir sobre as queixas de eleição fraudada. Porém, em 9 de novembro do ano passado, uma mensagem de sua autoria mostrou que Watkins estaria preocupada que tudo fosse "uma armadilha elaborada".

    Veterana militar Jessica Watkins, que com recrutas invadiu Capitólio em 6 de janeiro de 2021
    © AP Photo / Estabelecimento prisional de Montgomery County
    Veterana militar Jessica Watkins, que com recrutas invadiu Capitólio em 6 de janeiro de 2021
    "A não ser que o presidente nos ative, não será legítimo. O presidente tem também o direito de ativar unidades. Se Trump me pedir para ir, eu vou. Caso contrário, não posso confiar", conforme escrito na mensagem. Eventualmente, Watkins acabou recebendo o sinal de Trump. O corréu Donovan Crowl contou mais tarde que os membros da milícia pretendiam viajar até Washington D.C. em 6 de janeiro, pois "Trump quer que todos os patriotas capazes venham".

    No dia da invasão, Watkins informou aos membros da milícia através de um canal em um aplicativo de mensagens criptografadas de que seu grupo de 30 a 40 indivíduos "permaneceriam juntos e seguiriam o plano", sublinharam os procuradores.

    Em 18 de janeiro, Jessica Watkins foi detida com Donovan Crowl, tendo sido desde então acusada por crimes de obstrução de procedimento oficial, destruição de propriedade governamental, entre outras ofensas. "Contrariamente à vasta maioria, Watkins treinou e planejou para um momento como este."

    Mais:

    EUA aprovam venda de centro de treinamento de pilotos de F-16 para a Jordânia 
    EUA condenam decisão da China de banir BBC Mundo
    EUA podem ter vacinas para 300 milhões de pessoas até final de julho, diz Biden
    Tags:
    Departamento de Justiça dos EUA, invasão, trumpismo, Donald Trump, Capitólio, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar