01:13 01 Março 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    161
    Nos siga no

    O chanceler venezuelano, Jorge Arreaza, declarou nesta terça-feira (9) que as únicas sanções endossadas pelo direito internacional são as impostas pelo Conselho de Segurança da ONU e não as aplicadas por um grupo de países.

    "Eles mentem! As únicas sanções que o direito internacional contempla são as adotadas pelo Conselho de Segurança da ONU. As demais são contrárias à lei, incluindo, obviamente, as impostas pela União Europeia. São ferramentas primitivas", afirmou o chanceler nesta terça-feira (9).

    A declaração do ministro venezuelano surgiu depois que a diplomacia espanhola divulgou uma mensagem nas redes sociais justificando o uso das sanções como instrumento das relações internacionais de uma maneira em geral.

    ​As sanções internacionais são um importante instrumento das relações internacionais.

    Respeitando o direito internacional e os direitos humanos, buscam ajudar na resolução de conflitos ou apoiar regimes democráticos sem recorrer à força armada

    O governo da Venezuela denunciou em diversos cenários a ilegalidade das sanções da União Europeia e dos Estados Unidos contra seu país, inclusive promovendo a criação de um órgão para repudiar as medidas unilaterais que afetam não só a Venezuela, mas também países como Cuba, Nicarágua, Irã, entre outros.

    O presidente de Venezuela, Nicolás Maduro, chegou a afirmar no último domingo (7) que o governo da Espanha é responsável por elaborar planos terroristas contra o seu país.

    Mais:

    Nicolás Maduro denuncia 'ataque terrorista' a gasoduto no leste da Venezuela
    Venezuela denuncia apropriação ilegal de filial de sua petrolífera nos EUA
    Maduro: não obstante sanções dos EUA, Venezuela tem mais de 200 pedidos de investimento estrangeiro
    EUA retiram sanções contra transações essenciais para operações de portos e aeroportos na Venezuela
    Tags:
    Espanha, sanção, sanções, ONU, direito internacional, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar