00:49 01 Março 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    0 10
    Nos siga no

    A equipe jurídica de Donald Trump negou a afirmação de que o ex-presidente dos EUA tenha apelado a trumpistas que "lutassem como nunca" e incitado, assim, ao motim no Capitólio de Washington em 6 de janeiro.

    A defesa de Emanuel Jackson argumentou que a ação de seu cliente e outros manifestantes, que invadiram o edifício do Capitólio em 6 de janeiro, deveria ser vista como um evento espontâneo, em vez de um plano de terror doméstico, relatou a agência Reuters na terça-feira (2).

    "[...] A natureza e as circunstâncias desta ofensa devem ser vistas através da lente de um evento inspirado pelo presidente dos Estados Unidos", escreveu a advogada de defesa de Emanuel Jackson, preso por ter participado da invasão ao Capitólio, Brandi Harden, no arquivo de 22 de janeiro.

    Ela acrescentou que o próprio evento "parece ter sido espontâneo e provocado pelas declarações feitas durante o comício 'Parem o Roubo'".

    Durante um discurso a trumpistas na manhã de 6 de janeiro, Trump proclamou novamente que ocorreu fraude eleitoral maciça nas eleições presidenciais de novembro.

    "Não aceitaremos mais isso", disse o ainda presidente norte-americano, apelando que "lutassem como nunca" para preservação dos Estados Unidos.

    Além disso, a ação judicial pediu que Emanuel Jackson, um dos participantes do motim, fosse liberado da prisão até sua audiência preliminar neste mês.

    No entanto, um juiz rejeitou o recurso e negou a fiança para o jovem de 20 anos, cujas ações e agressões foram flagradas em fotos e vídeos.

    PRESO: Emanuel Jackson usou um taco de beisebol de metal para atingir uma fileira de policiais que estavam segurando os escudos de acrílico. Ele enfrenta cinco acusações federais, incluindo a agressão a um policial com uma arma mortal.

    Com a onda de prisões a outros participantes do motim, os nove gerentes democratas do impeachment de Trump na Casa dos Representantes emitiram um mandato de pré-julgamento na terça-feira (2) que instou os membros do Senado a condenarem Trump por se envolver "em altos crimes e delitos, incitando à violência contra o governo dos Estados Unidos".

    No entanto, mesmo que todos os 50 senadores democratas votem para condenar o ex-presidente, o limiar de condenação exige pelo menos 67 votos, o que significa que pelo menos 17 republicanos teriam também que votar a favor.

    "A conduta do presidente Trump ofende tudo o que a Constituição representa", escreveram os administradores democratas do impeachment em memorando.

    "O Senado deve deixar claro a ele e a todos que seguem [após Trump] que um presidente que provoca violência armada contra o governo dos Estados Unidos em um esforço para reverter os resultados de uma eleição enfrentará julgamento e sentença."

    Por sua vez, a equipe legal de Donald Trump contesta essa acusação.

    "O 45º presidente dos Estados Unidos desempenhou admiravelmente seu papel como presidente, fazendo sempre o que achava ser do melhor interesse do povo americano", afirma.

    Mais:

    Impeachment: metade dos norte-americanos acha que o Senado deve condenar Trump
    'Viking-xamã' invasor do Capitólio dos EUA agora quer testemunhar contra Trump no Senado
    Impeachment de Trump? Biden diz que condenação tem que acontecer, mas duvida de sucesso
    Tags:
    Washington D.C, Washington, Capitólio, Reuters, Congresso dos EUA, Congresso, Senado dos EUA, Senado, Casa dos Representantes, EUA, Donald Trump
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar