02:44 09 Março 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    291
    Nos siga no

    O governo Joe Biden está tomando medidas para retomar os esforços para homenagear a abolicionista e ativista negra Harriet Tubman na nota de US$ 20.

    O plano havia sido anunciado em 2016, pelo ex-presidente Barack Obama, mas foi abandonado pelo governo Donald Trump.

    "É importante que nossas notas reflitam a história e a diversidade de nosso país e a imagem de Harriet Tubman agraciando a nova nota de US$ 20 certamente refletiria isso. Portanto, estamos explorando maneiras de acelerar esse esforço", disse Jen Psaki, secretária de Imprensa da Casa Branca, nesta segunda-feira (25), conforme noticiado pela Reuters.

    Como candidato presidencial, Trump sugeriu que Tubman seria mais adequada para a cédula de US$ 2, uma nota que hoje em dia é raramente vista em circulação.

    Retrato da abolicionista e ativista negra Harriet Tubman, em foto tirada entre 1871 e 1876.
    Retrato da abolicionista e ativista negra Harriet Tubman, em foto tirada entre 1871 e 1876

    Harriet Tubman nasceu escrava e cresceu trabalhando em uma plantação de Maryland, antes de escapar da escravidão a aproximadamente 20 anos de idade. Ela ajudou dezenas de escravos a fugirem para o norte dos Estados Unidos e para o Canadá.

    Além disso, trabalhou como espiã durante a Guerra Civil norte-americana e lutou pelo direito ao voto das mulheres. Ela morreu em 1913, aos 91 anos.

    Atualmente, a nota de US$ 20 traz a estampa de Andrew Jackson, o sétimo presidente dos Estados Unidos. A homenagem à Jackson recebe muitas críticas, uma vez que o ex-presidente teve uma propriedade de escravos e dispensava tratamento agressivo contra os nativos norte-americanos.

    Nenhuma mulher foi retratada nas cédulas dos EUA desde a ex-primeira-dama Martha Washington, entre 1891 a 1896, e a nativa norte-americana Pocahontas, que fez parte de uma imagem com várias pessoas na nota de US$ 20 de 1865 a 1869.

    Outras mulheres, incluindo a intérprete indígena Sacagawea, a sufragista Susan B. Anthony e a autora e ativista Helen Keller, figuraram em moedas.

    Mais:

    CEO global do Carrefour fala em racismo e pede revisão do treinamento de funcionários
    Acusações de racismo fazem time norte-americano de beisebol mudar de nome
    Pesquisa mostra que subiu para 83% a percepção de que racismo aumentou ou se manteve em São Paulo
    COVID-19 escancara racismo no Brasil e candidaturas negras são esperança, diz pesquisador
    Tags:
    ativismo, ativista, escravos, Donald Trump, Joe Biden, dólares, Dólar, Estados Unidos, racismo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar