16:44 18 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    333
    Nos siga no

    A mídia norte-americana citou fontes anônimas que relataram resistência por parte de assessores de Trump a sua tentativa de pressionar Suprema Corte.

    O antigo presidente Donald Trump pressionou a Corte Suprema dos EUA para que esta anulasse a vitória de Joe Biden e pensou em substituir o procurador-geral interino por um que validasse as afirmações de suposta fraude eleitoral, escreveu no sábado (23) o jornal Wall Street Journal.

    Pessoas familiarizadas com o assunto citadas pela mídia disseram que as ações nas últimas semanas da presidência de Trump falharam por causa da resistência de seus assessores de justiça, que teriam se recusado a apresentar uma ação judicial na Corte Suprema, pois consideravam não haver base para contestar o resultado da eleição. Para além disso, o governo norte-americano não tinha interesse legal em saber se foi Trump ou Biden que ganhou a presidência.

    Os assessores que recusaram a ação incluíam Jeffrey Rosen, na época procurador-geral interino, William Barr, ex-procurador-geral, Jeffrey Wall, ex-advogado-geral interino, Pat Cipollone, na época advogado da Casa Branca, bem como seu adjunto, Patrick Philbin.

    De seguida, altos responsáveis seniores do Departamento de Justiça ameaçaram demitir-se caso Trump substituísse o então procurador-geral interino Jeffrey Rosen por Jeffrey Clark, aliado do presidente norte-americano na época, que expressou vontade de usar o poder do Departamento de Justiça para continuar contestando a vitória eleitoral do candidato democrata.

    Um conselheiro de Trump disse que o ex-presidente "tem argumentado consistentemente que nosso sistema de justiça deveria estar investigando a fraude eleitoral mais ampla e desenfreada que tem atormentado nosso sistema por anos", segundo a agência Reuters.

    Após a invasão do Capitólio de Washington em 6 de janeiro por apoiadores de Donald Trump, que levou a cinco mortes, a Câmara dos Representantes aprovou um segundo impeachment, que também seguirá para julgamento no Senado em 8 de fevereiro.

    Mais:

    Agentes da Guarda Nacional dos EUA são afastados por supostos laços com extremismo
    Trump supostamente admite ter 'alguma culpa' pela invasão do Capitólio
    Democratas da Câmara dos EUA apresentam resolução de impeachment contra Trump
    Trump jura dar 'voz' a seus apoiadores e declara que não vai assistir à posse de Biden
    Tags:
    Wall Street Journal, The Wall Street Journal, Reuters, Donald Trump, Joe Biden, Departamento de Justiça, Departamento de Justiça dos EUA, William Barr
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar