01:56 26 Julho 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    128
    Nos siga no

    Avril Haines foi assessora da Presidência para Segurança Nacional no governo de Obama e também a primeira mulher a comandar a CIA, de 2013 a 2015. Ela será a primeira mulher no cargo de diretora de Inteligência Nacional dos EUA.

    Os EUA devem assumir uma "postura agressiva" em relação à China, disse na terça-feira (19) Avril Haines, a escolhida do presidente eleito Joe Biden para o cargo de diretora de Inteligência Nacional do país.

    "Nossa abordagem com relação à China deve evoluir e essencialmente atender à realidade de [uma] China particularmente assertiva e agressiva que vemos hoje […]. Eu apoio uma postura agressiva, em certo sentido, para lidar com o desafio que estamos enfrentando", afirmou Haines, citada pela agência Reuters.

    Assessora da Presidência para Segurança Nacional no governo de Obama e também a primeira mulher a comandar a CIA, de 2013 a 2015, Haines respondia ao Comitê de Inteligência do Senado, que votará a sua nomeação. Se confirmada, ela será a primeira mulher no cargo de diretora de Inteligência Nacional dos EUA.

    Irã e hackers

    A nomeada por Biden disse que acredita que levará algum tempo antes que Teerã volte ao cumprimento estrito do acordo nuclear de 2015, e que o próprio governo Biden pode voltar ao Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA, na sigla em inglês), que o presidente Trump abandonou em 2018.

    Em junho de 2015, um conjunto de países aprovou, na cidade suíça de Lausanne, o Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA, na sigla em inglês), que regula o programa nuclear do Irã
    © AP Photo / Brendan Smialowski
    Em junho de 2015, um conjunto de países aprovou, na cidade suíça de Lausanne, o Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA, na sigla em inglês), que regula o programa nuclear do Irã

    Haines garantiu que suas prioridades incluem restaurar a confiança dentro da comunidade de inteligência dos EUA, que Trump às vezes denegriu, bem como entre o povo norte-americano.

    Haines afirmou ao comitê que as agências dos EUA "não resolveram o problema" de impedir ataques cibernéticos e ainda não descobriram como lidar com essas ameaças assimétricas. Biden indicou que os EUA deveriam impor custos aos invasores pelos recentes ataques a agências governamentais e empresas dos EUA, disse Haines. A Rússia nega qualquer responsabilidade nos ataques cibernéticos.

    O senador Mark Warner, novo presidente do Comitê de Inteligência do Senado dos EUA, elogiou as respostas de Haines, que foram feitas por escrito. Warner disse que o comitê vai agendar a votação para a nomeação o mais rápido possível e instou todo o Senado a confirmá-la "sem atrasos desnecessários".

    Mais:

    Adeptos do QAnon querem se infiltrar na posse de Biden disfarçados de Guarda Nacional, diz jornal
    Kim Jong-un poderia estar planejando lançar míssil de 'boas-vindas' à administração Biden
    Macron pede maior envolvimento militar e em defesa dos EUA com administração Biden
    Em memorial, Biden pede que mortos pela COVID-19 nos EUA não sejam esquecidos
    Tags:
    Inteligência Nacional dos EUA, China, EUA, Donald Trump, Joe Biden
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar