02:23 01 Março 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    117
    Nos siga no

    Em seu último dia como secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo atacou mais uma vez a China ao afirmar que suas políticas para muçulmanos e minorias étnicas na região de Xinjiang constituem "crimes contra a humanidade" e "genocídio".

    A determinação de Pompeo chega faltando apenas 24 horas para o término do mandato de Donald Trump e a posse do presidente eleito Joe Biden. Até o momento, segundo a agência Associated Press, não houve resposta da nova equipe de Biden, embora ele e alguns integrantes de seu time de segurança nacional tenham manifestado apoio a tal designação no passado.

    "Após um exame cuidadoso dos fatos disponíveis, eu determinei que, desde pelo menos março de 2017, a República Popular da China, sob a direção e o controle do Partido Comunista Chinês, cometeu crimes contra a humanidade contra os uigures predominantemente muçulmanos e outros membros de grupos étnicos e religiosos minoritários em Xinjiang'', escreveu Pompeo em um comunicado divulgado nesta terça-feira (19).

    ​Eu determinei que a República Popular da China está cometendo genocídio e crimes contra a humanidade em Xinjiang, na China, tendo como alvos os muçulmanos uigures e integrantes de outras minorias étnicas e religiosas

    A determinação de Pompeo não traz repercussões imediatas, mas tem implicações legais que significam que os EUA deverão levá-la em consideração na hora de formular políticas em relação à China. Os EUA já implementaram algumas ações, tais como a imposição de uma série de sanções contra líderes do Partido Comunista Chinês e empresas estatais que financiam o que os norte-americanos chamam de arquitetura de repressão em Xinjiang. A novidade consiste no fato de que a designação de "genocídio" faz com que novas medidas sejam mais fáceis de impor.

    "Após um exame cuidadoso dos fatos disponíveis, eu determinei que a República Popular da China, sob a direção e controle do Partido Comunista Chinês, cometeu genocídio contra os uigures predominantemente muçulmanos e outros grupos étnicos e religiosos minoritários em Xinjiang. Eu acredito que este genocídio está em andamento, e que estamos testemunhando a tentativa sistemática de destruir os uigures pelo partido-Estado chinês", frisou Pompeo na nota.

    ​Desde o início de 2020, o governo dos Estados Unidos vem aumentando continuamente a pressão sobre Pequim, impondo sanções a diversos funcionários e empresas por suas atividades em Taiwan, Tibete, Hong Kong e no mar do Sul da China. Além disso, as punições se intensificaram a partir do momento em que o presidente Donald Trump e o secretário Mike Pompeo começaram a acusar a China de tentar encobrir a pandemia do novo coronavírus. 

    Mais:

    Pompeo classifica Rússia como um inimigo dos EUA
    Diplomatas dos EUA pedem que Pompeo reconheça 'papel fundamental' de Trump em violência no Capitólio
    Pompeo acusará Irã de conexão com Al-Qaeda, diz mídia
    Tags:
    genocídio, Xinjiang, Mike Pompeo, EUA, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar