04:46 01 Março 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    0 517
    Nos siga no

    Segundo ordem executiva assinada por Donald Trump, todos os drones fabricados por outros países considerados "adversários", como a China, Rússia, Irã e Coreia do Norte, devem ter sua segurança avaliada e também impostas restrições a compras governamentais de drones desses países.

    Na segunda-feira (18), o presidente norte-americano Donald Trump assinou uma ordem executiva instruindo todas as agências dos Estados Unidos a avaliar os riscos de segurança colocados à frota governamental de drones existentes fabricados por empresas chinesas e russas e priorizar sua remoção do serviço federal.

    Trump incumbiu todas as agências dos Estados Unidos de delinear os riscos de segurança que representam os drones existentes de empresas chinesas e de outros países considerados adversários estrangeiros, incluindo Rússia, Irã e Coreia do Norte, de acordo com a Reuters.

    "É política dos Estados Unidos [...] prevenir o uso de dólares dos contribuintes para compra de drones que apresentam riscos inaceitáveis e são produzidos, ou contêm software ou componentes eletrônicos críticos, pelos adversários estrangeiros [dos EUA] e encorajar o uso de drones de produção local", de acordo com a ordem.

    Além disso, a ordem de Trump incumbe as agências de delinear os passos potenciais que podem ser tomados para diminuir os riscos dos drones existentes, inclusive a suspensão de todo o uso federal desses drones e a rápida retirada deles do serviço federal.

    A proibição para agências dos Estados Unidos de adquirir drones russos não tem sentido prático, dado que Washington nunca os comprou, comentou à Sputnik o especialista russo na esfera de sistemas não tripulados Denis Fedutinov.

    "Sistemas não tripulados russos, norte-coreanos e iranianos nunca foram comprados [pelos EUA]. Dessa forma, a referida decisão, apresentada como protecionista, em geral não muda a situação atual e tem sobretudo carácter político", afirmou Fedutin.

    O especialista sublinhou que as restrições norte-americanas não são aplicadas a clientes privados.

    Embora anteriormente a China tenha vendido alguns de seus minidrones a estruturas governamentais dos EUA, essas vendas são insignificantes, quando comparadas com o mercado comercial, sublinhou o especialista.

    Mais:

    EUA adotam sanções contra ministro e Ministério do Interior de Cuba
    Sanções dos EUA contra empresas do Nord Stream 2 são inaceitáveis, diz Bundestag
    Trump assina ordem fortalecendo proibição de investimentos dos EUA na China
    EUA revelam estratégia de contenção da China focada na ascensão da Índia como contrapeso a Pequim
    Tags:
    drones, China, Rússia, Donald Trump, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar