04:46 09 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    194
    Nos siga no

    O governo norte-americano está realizando exercícios militares com a Guiana na fronteira da Venezuela para demonstrar que nada mudará na política de agressão contra a nação caribenha, mesmo com a posse de Joe Biden, afirmou o congressista Julio Chávez.

    "Nestas conjunturas ocorrem sempre ações deste tipo para confirmar que, além da mudança do governo, não haverá mudança na política de agressão imperial aos povos", assegurou à Sputnik o congressista Julio Chávez.

    Estes exercícios são realizados em um dos momentos mais complexos das relações entre a Guiana e a Venezuela, devido a uma decisão judicial na qual a Corte Internacional de Justiça (CIJ) se declarou competente para resolver o diferendo territorial da Guiana Essequiba e convocou uma audiência para o dia 25 de janeiro, apesar da recusa de Caracas de recorrer ao órgão para resolver a situação.

    Com base do acordo de Genebra de 1966, as partes devem negociar e chegar a um consenso sobre a forma e os acompanhantes do processo, não podendo nenhuma das partes impor uma medida.

    Militares dos EUA durante treinamentos (foto de arquivo)
    © AP Photo / Visar Kryeziu
    Militares dos EUA durante treinamentos (foto de arquivo)

    No entanto, há um ano, o secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, recomendou que a Guiana recorresse à CIJ.

    Para Chávez, a pretensão de agravar o problema com uma operação militar em torno das águas venezuelanas faz parte da Doutrina Monroe, que é baseada no princípio da "América para os americanos".

    O congressista assegurou que na Assembleia Nacional (Parlamento unicameral), que tomou posse no dia 5 de janeiro com maioria legal, desenvolverá uma agenda baseada na defesa pacífica do território venezuelano.

    "Estamos decididos, como disse o presidente Nicolás Maduro, a desenvolver uma intensa agenda política internacional reivindicando o espírito do acordo de Genebra de 1966, onde apenas é possível chegar a uma solução acordada quanto à justa reclamação da Venezuela sobre o que hoje é considerada a Guiana Essequiba, e que é nosso território", ressaltou.

    O congressista considerou que a atual situação se traduz em atos provocativos que buscam manchar o caminho do diálogo entre as duas nações.

    A disputa pela Guiana Essequiba começou em 1899, quando a Venezuela foi privada de seu território através de uma sentença arbitral de Paris, tendo o Reino Unido entregado à Guiana esta parte da nação caribenha.

    Mais:

    Venezuela se transformou em uma plataforma do crime organizado, afirma Ernesto Araújo
    Com Biden, política intervencionista dos EUA contra Venezuela deverá se manter, diz Diosdado Cabello
    Biden deve buscar solução para crise da Venezuela sem exigir renúncia de Maduro, aponta mídia
    Tags:
    Guiana, EUA, disputa territorial, disputa, território, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar