13:49 24 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    4102
    Nos siga no

    O FBI prendeu nesta sexta-feira (8) um homem de Arkansas que foi fotografado sentado à mesa do escritório da presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, após a invasão ao Capitólio nesta quarta-feira (6).

    Conforme noticiado pela AP, Richard Barnett foi preso na cidade de Little Rock, no estado de Arkansas. O homem de 60 anos deixou um bilhete na mesa da congressista e roubou correspondências de Pelosi.

    Ken Kohl, o principal subprocurador federal em Washington, informou que Barnett enfrenta três acusações federais: entrar ou permanecer intencionalmente em áreas restritas sem autoridade; entrada violenta e conduta desordenada nos terrenos do Capitólio; e roubo de propriedade ou registros públicos. Se condenado, ele pode pegar até um ano de prisão.

    As autoridades norte-americanas disseram que conseguiram identificar Barnett por meio de fotos tiradas pela mídia quando ele estava dentro do prédio, pelas câmeras de vigilância do Capitólio e também por uma entrevista em vídeo que Barnett deu ao New York Times, na qual ele diz: "Eu coloquei uma moeda na mesa dela, embora ela não valha a pena".

    Barnett é de Gravette, no noroeste de Arkansas. Ele se identificou nas redes sociais como um apoiador de Trump e um defensor do direito à posse de armas.

    Jim Parsons, um tenente-coronel aposentado do Exército que serviu no Vietnã, disse à AP que foi orador convidado em algumas "reuniões patrióticas" das quais Barnett também participou. Barnett tinha um rifle AR-15 com ele "para garantir que as coisas permanecessem em paz" durante a reunião, disse Parsons. Ele chamou Barnett de "um homem bom" e "patriótico".

    Um dos grupos aos quais Barnett pertence acredita que "máscara facial é um ensaio geral para o que está por vir. Vamos acabar com um chip na testa'', disse Parsons à AP.

    O prefeito de Gravette, Kurt Maddox, disse que a foto de Barnett no escritório de Pelosi atraiu atenção indesejada para sua pequena cidade, e alguns residentes chegaram a receber ameaças.

    Apoiadores do presidente Donald Trump enfrentam agentes da Polícia do Capitólio dos EUA fora da Câmara do Senado dentro do Capitólio, em Washington, EUA, 6 de janeiro de 2021
    © AP Photo / Manuel Balce Ceneta
    Apoiadores do presidente Donald Trump enfrentam agentes da Polícia do Capitólio dos EUA fora da Câmara do Senado dentro do Capitólio, em Washington, EUA, 6 de janeiro de 2021

    Invasão ao Capitólio

    Nesta quarta-feira (6), os congressistas dos EUA foram obrigados a evacuar os prédios do Capitólio durante a invasão ao Congresso feita por apoiadores de Trump. O episódio resultou em cinco pessoas mortas, incluindo uma veterana da Força Aérea. Os manifestantes tentaram impedir a certificação da vitória do presidente eleito Joe Biden.

    Mais cedo, Trump havia encorajado os manifestantes durante um comício, perto da Casa Branca. Em vídeo publicado mais de uma hora após a invasão, o presidente norte-americano disse que "entende a dor" dos manifestantes e que a vitória nas eleições "foi roubada" deles, mas que era necessário que eles fossem para casa.

    Mais:

    Bombardeando o Capitólio: conheça grupo feminista que atacou sede do Legislativo dos EUA em 1983
    'China zomba de nós' após invasão do Capitólio, diz ex-embaixador americano em Pequim
    Brasil corre risco de vivenciar situação parecida com a invasão do Capitólio dos EUA?
    Trudeau diz que Trump é culpado de ataque ao Capitólio dos EUA
    Departamento de Justiça diz não esperar acusações contra Trump por invasão ao Capitólio
    Tags:
    polícia, FBI, fotografia, invasão, Congresso dos EUA, Capitólio, Washington, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar