07:24 17 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    130
    Nos siga no

    Em 1983, o grupo feminista M19 realizou um atentado com bomba no Capitólio de Washington, em sua luta por ideais de esquerda.

    Na última quarta-feira (6), o Capitólio foi alvo de uma invasão de apoiadores do presidente norte-americano Donald Trump, no contexto da confirmação da eleição do democrata Joe Biden para o posto de presidente nos EUA.

    Na ação, pelo menos quatro pessoas morreram, tendo os manifestantes deixado um rastro de destruição. Contudo, esta não foi a primeira vez que a sede do Legislativo dos EUA foi atacada.

    M19

    Em 1983, o grupo feminista M19 realizou um atentado com bomba no Capitólio de Washington, em sua luta por ideais de esquerda.

    Brancas, de classe média e universitárias: era este o perfil das integrantes da Organização Comunista 19 de Maio, mais conhecida como M19.

    A data usada no nome do grupo era uma homenagem ao aniversário do líder afro-americano Malcom X e do dirigente comunista vietnamita Ho Chi Minh.

    A história da organização foi investigada pelo especialista em segurança norte-americano William Rosenau, conforme escreveu em seu livro "Esta Noite Bombardeamos o Capitólio dos EUA" ("Tonight We Bombed the U.S. Capitol", no original em inglês).

    A organização armada surgiu em um período em que diferentes grupos de esquerda nos EUA diziam lutar pelos direitos de minorias e pelos ideais socialistas nas décadas de 70 e 80.

    Seus integrantes desejavam apoiar os movimentos esquerdistas e revolucionários nos países do Terceiro Mundo.

    "Realmente eles se viam como partidários e seguidores destas lutas do terceiro mundo no Oriente Médio, na África do Sul e neste hemisfério em particular. Falavam de si como se estivessem no ventre da besta, no centro deste mostro imperialista. Por isso, tinham uma responsabilidade particular, em sua opinião, de levar a cabo ações para dominar este monstro", relatou Rosenau em entrevista à revista Smithsonian.

    Uma das principais características do grupo era a defesa do feminismo. Contudo, segundo Rosenau, o grupo, liderado e majoritariamente composto por mulheres, não defendia qualquer forma de feminismo.

    "É importante notar que realmente não acreditavam no chamado 'feminismo burguês', a Organização Mundial das Mulheres, a igualdade salarial, etc.. Sim, tudo isso era bom, mas o consideravam uma distração. A libertação da mulher chegaria de fato com a revolução política", disse.

    A criação do grupo se deu em 1978, com seus integrantes passando da propagação de ideias através de material impresso para o assalto a carros-cofre e libertando detentos da prisão.

    Em 1979, conforme lembra a revista, o grupo ajudou na libertação do fabricante de explosivos William Morales, o qual pertencia ao grupo nacionalista porto-riquenho FALN (Forças Armadas de Libertação Nacional).

    Com o passar do tempo, o M19 começou a produzir seus próprios explosivos.

    Ataque ao Capitólio

    Enquanto criticava o "imperialismo capitalista norte-americano" e as ações dos EUA na Guerra do Vietnã, o grupo iniciou uma série de ataques contra diversos alvos, incluindo um endereço do FBI, o consulado da África do Sul em Nova York e outros. Contudo, um dos ataques mais marcantes foi contra o Capitólio federal norte-americano, em Washington.

    Pouco antes das 23h00 de 7 de novembro de 1983, o grupo ordenou que o Capitólio fosse evacuado. Dez minutos depois, uma bomba explodiu no interior do prédio.

    A explosão não causou vítimas, mas o prejuízo foi estimado em cerca de US$ 1 milhão (cerca de R$ 14 milhões nos dias de hoje).

    Mais:

    'Onda Boulos': PSOL pode substituir PT como principal partido de esquerda do Brasil?
    Maryland mobiliza Guarda Nacional para cerimônia de posse de Biden nos EUA
    Protestos feministas contra Trump reúnem milhares de pessoas em várias cidades dos EUA (VÍDEO)
    Tags:
    Washington, DC, esquerda, feminismo, ataque, Capitólio dos EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar